Conselheiro afastado do TCE é preso por tentativa de obstrução da Justiça

O suspeito foi flagrado jogando cheques em uma lixeira e saiu correndo por 16 andares de escadaria. Tudo foi filmado e gravado

(Foto: Assessoria/ TCE)

O conselheiro afastado do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), Valdir Teis, foi preso preventivamente na manhã desta quarta-feira (1º) pela Polícia Federal, a pedido do Ministério Público Federal (MPF) e proferida pelo ministro Raul Araújo, que é relator da Operação Ararath no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A prisão se deu porque a PF revelou indícios de que o conselheiro tentou embaraçar as investigações, durante cumprimento de mandado de busca e apreensão em seus endereços, enquanto estava sendo realizada mais uma fase da Operação Ararath em 17 de junho.

O conselheiro, que é investigado por corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro, foi flagrado destruindo provas. Valdir tentou destruir cheques assinados em branco e canhotos de cheques e os jogou em uma lixeira do prédio e ainda tentou fugir correndo por 16 andares de escada – conforme informações do MPF. Toda a tentativa de obstrução da Justiça foi filmada e fotografada.

Segundo informa o MPF, todos os cheques somam R$ 450 mil e são de empresas ligadas à suposta organização criminosa da qual Valdir Teis é suspeito de integrar.

Histórico

Valdir Teis e outros 4 conselheiros do TCE (Antônio Joaquim, José Carlos Novelli, Sérgio Ricardo e Valter Abano) estão afastados de suas funções há 33 meses – desde setembro de 2017 – por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Eles são acusados de receber propina para aprovar processos relacionados ao ex-governador Silval Barbosa, durante as obras da Copa do Mundo de 2014. A PF junto do MPF investiga o suposto pagamento de propina na ordem de R$ 53 milhões – conforme confessado em acordo de delação premiada.

Em fevereiro deste ano, um julgamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ), cujo relator é o mesmo ministro que dirimiu pela prisão de Valdir Teis, nesta terça-feira, Raul Fortes, ficou determinado que os conselheiros afastados permaneceriam longe de suas funções por mais 180 dias.

Três meses depois, a PF deflagra nova fase da Operação Ararath, também sob a ordem de busca e apreensão proferida pelo ministro Raul Fortes. Faltando três meses para que novo julgamento no STJ decida sobre o retorno dos conselheiros afastadas aos seus postos, os fatos mais recentes podem se transformar em empecilhos aos investigados.

Atualizada às 12h20

LEIA TAMBÉM

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEntregadores de apps fazem greve nacional nesta quarta-feira
Próximo artigoPitbull adotado ataca donos e deixa criança com ferimentos graves

O LIVRE ADS