Conheça o fritay, o “baguncinha do Haiti”

O prato tradicional é o mais famoso das ruas do Haiti

Quando um imigrante chega à cidade, ele traz na bagagem não só expectativas de uma vida melhor, como também, incorporadas à sua vivência, as tradições de seu povo. Logo, elas passam a compor um grande caleidoscópio. E no caso do Brasil, novos costumes só têm a somar à história do país e reforçar o caráter plural que agrega mais valores à cultura brasileira.

Pouco a pouco os haitianos que chegaram a Cuiabá têm revelado suas tradições, inicialmente, com mais ênfase, por meio da música. Mas agora, uma nova faceta se revela: a gastronomia haitiana.

O jovem Benjamin Romual, com apoio da esposa Leone Geoffrard, acaba de abrir as portas da modesta casa nos arredores do bairro Areão para servir aos seus clientes, a tradicional comida de rua do Haiti.

“O fritay é o baguncinha cuiabano”, diz o empresário, que para fisgar a todos, também assa espetinhos ao modo brazuca. “Por R$ 2,50, o de carne acompanha vinagrete e mandioca, mas já na próxima semana começo a servir com farofa e arroz branco. Acho que o valor vai subir, mas só um pouquinho”, diz preocupado em não perder clientes.

Mas a grande estrela da casa é mesmo a comida de rua mais conhecida do Haiti. “Sabe quando vocês dizem que vão sair para comer fora e querem um baguncinha? Lá no Haiti a gente pede o fritay”, diz com o português quase afiado. Já a esposa está no processo de aprendizado de nossa língua. Fala bem pouco, mas as mãos é que mandam o recado. É ela quem prepara o prato.

Enquanto espero sentada em uma das mesas na calçada, que seguem o contorno de uma curva, ele conta como vieram parar em Cuiabá. Benjamin chegou à cidade em 2013 para passear. Já Leone, há um ano e meio.

“Vim ver os primos e um irmão, mas acabei ficando por aqui”. Há 20 dias ele deixou a equipe da espetaria que trabalhava como garçom de noite, para dedicar-se ao seu próprio negócio. “Mas de dia, continuo trabalhando como pintor também. E eu tenho muitos planos de fazer melhorias na casa para atender meus clientes”, idealiza.

“De vez em quando – mas só de vez em quando [se diverte]-, eu vou no lambadão”, entrega, revelando que já incorporou aos seus hábitos algumas das paixões mato-grossenses.

Na sequência, Leone chega à mesa com o “baguncinha haitiano” nas mãos. O fritay é um prato despretensioso, bem simples, que vem com saladinha verde, com alface, repolho e tomate; dois pedaços de frango frito e uma versão da banana da terra – também frita e bem amarelinha – que chama a atenção: elas vêm em forma de discos, amassadas para chegar nesse formato. Carne frita também pode substituir o frango.

Versão completa com feijão, arroz e molho de pimenta. A foto é ilustrativa. (Alexandre Disaro / Editora Globo)

Um amigo haitiano que acabava de chegar, me alertou: “joga o ‘vinagrete’ em cima da banana”. Benjamin, completou: “e também coloque o molho de pimenta na banana…”. Feito. O fritay é uma comida tal qual a cuiabana, simples, despretensiosa e moderadamente apimentada e sai apenas R$ 10 reais.

O casal serve clientes de segunda a segunda-feira, das 19h às 23h. O restaurante – cujo nome ainda passa por uma curadoria – fica na Av. Desembargador Antônio Quirino de Araújo, n. 343, bairro Areão. Mais informações: 98114 4890 (Benjamin)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjeto Lunaar encontra na reciclagem recursos para ajudar animais abandonados
Próximo artigoMega-Sena acumula, e próximo prêmio pode chegar a R$ 6,5 milhões