Condenado por estuprar a sobrinha pede revisão de sentença e tribunal de MT nega

Defesa justificou que a vítima, com 12 anos na época do crime, manteve relações consensuais

Foto: Reprodução

Condenado em 2015 a nove anos e quatro meses de prisão pelo estupro da sobrinha, na época do crime com 12 anos, um homem teve um recurso negado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Ele pediu que a Corte reavaliasse a condenação sob o argumento de que o ato sexual entre os dois foi consensual e sem o emprego de violência.

Durante a sessão, que aconteceu nessa quinta-feira (18), a advogada do acusado, Andreia Silva, tentou defender a teoria de que a vítima tinha interesse pelo tio e que os dois tiveram relação sexual uma única vez, não seguidas vezes durante o ano de 2012, como a menina alegou.

Todas as situações apresentadas, conforme o desembargador Gilberto Giradelli, no entanto, não permitem que o crime deixasse de ser configurado pelo Artigo 217-A (estupro de vulnerável) para 215-A (praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro).

Giradelli alertou que, devido a idade da adolescente, considera-se estupro presumido. E mesmo não havendo violência física, o processo mostra que o acusado “criava a ilusão” de que iria se separar da esposa e assumir o relacionamento com a sobrinha.

No processo consta ainda que as relações sexuais entre os dois foram interrompidas após a menina informar que estava grávida. Na ocasião, o tio teria oferecido dois tipos de remédios para o aborto, sendo que tempos depois dela fazer uso do medicamente, perdeu o bebê.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno assina R$ 606 milhões em ordens de serviço para obras de infraestrutura
Próximo artigoMP abre 9 inquéritos para investigar corrupção na Assembleia Legislativa