Conab apresenta restruturação a parlamentares da FPA

Convênio 100 também esteve na pauta e preocupa setor

Foto: Assessoria

Nesta terça-feira (26), membros da Frente Parlamentar da Agropecuária puderam ouvir sobre a restruturação da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O presidente do órgão, Newton Araújo Jr., apresentou os programas da Conab para o setor rural, como aqueles voltados para a agricultura familiar, para os pecuaristas, ferramentas da lei agrícola e armazenagem. O leilão de milho também foi discutido.

[featured_paragraph]“No momento em que o Brasil está na entressafra de milho, temos um estoque de 700 mil toneladas na Conab e estamos importando milho do Paraguai e da Argentina. Isso encarece o custo para aquele que consome, principalmente o produtor de proteína animal. Provavelmente sobrará milho nos estoques da Conab e, no momento de safra, nós não teremos onde alojar o milho do nosso produtor rural”, disse o vice-presidente da FPA na Câmara dos Deputados, Sérgio Souza (MDB-PR), que presidiu a reunião.[/featured_paragraph]

O presidente da Companhia explicou que a estocagem de milho é para equilibrar o mercado. “É importante dizer que a Conab faz os estudos técnicos para ver se aquele é o momento ou não de fazer, por exemplo, um leilão para abastecimento de mercado”, afirmou.

ICMS

O Convênio 100/1997 também esteve na pauta. Ele trata da isenção de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias) sobre o transporte de insumos agrícolas dentro dos estados e dá desconto quando a movimentação é interestadual. O acordo expira no próximo dia 30 de abril e, caso não seja renovado, pode causar um grande impacto no setor. Como o ICMS é de competência dos estados e Distrito Federal, todos precisam estar unanimemente de acordo com a renovação em reunião deliberativa do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

[featured_paragraph]“Nós já estamos encaminhando a matéria. Na próxima quinta-feira (28) estaremos juntos em uma audiência pública conjunta das Comissões de Agricultura e de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados. Pedimos para cada deputado, cada entidade representativa, que conversem com o secretário de Economia e de Fazenda dos estados para que possamos resolver esta situação”, afirmou o deputado e vice-presidente da FPA na região Centro Oeste, José Mário Schreiner (DEM-GO).[/featured_paragraph]

O vice-presidente da FPA informou que a articulação nos estados está bem adiantada e fez um alerta: “se a renovação do Convênio 100 não acontecer, o consumidor pode acabar pagando mais caro pela comida e isso se estende às demais pautas da Frente que estão no Congresso Nacional, como Lei Kandir e Plano Safra”.

[featured_paragraph] “Tudo isso na balança pode encarecer para o produtor rural de 30 a 40% seu custo de produção. Isso vai chegar ao bolso do consumidor. Vai tirar a competitividade, afetar a balança comercial e afetar não só lá no produtor de milho, soja, ovo, galinha, mas vai atingir também o produtor de máquina, de trator, na siderurgia, na produção de insumo. É toda uma cadeia”, diz Souza.[/featured_paragraph]

Ainda na tarde de terça-feira, Schreiner representou a FPA em um encontro com o diretor do Confaz, Bruno Pessanha, que ressaltou a importância de debater uma nova proposta para o Convênio 100 e disse que, caso o acordo seja prorrogado, será até 30/04/2020 – mais um ano. O assunto está na pauta da próxima reunião do Confaz, próximo dia 05, que reunirá os 27 secretários estaduais de Fazenda.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm Brasília, Mauro Mendes pede celeridade a ministro em medida de socorro aos Estados
Próximo artigoGallo reconhece que novo empréstimo poderá custar até 90 milhões de dólares a mais para o Estado

O LIVRE ADS