Comodoro: 13 pessoas morreram e duas ficaram feridas em acidente na BR-174

A Van que se envolveu na colisão levava 8 pacientes comodorenses para fazer hemodiálise em Vilhena (RO)

(Foto: Divulgação / CBM-MT)

Um acidente envolvendo uma Van e uma caminhonete modelo Hilux SW4 foi registrado na manhã deste sábado (30), na BR-174, próximo a Comodoro ( a 639 km de Cuiabá). A colisão matou 13 pessoas e duas foram encaminhadas para o hospital municipal.

Os veículos colidiram frontalmente, mas não há informações do que teria causado o acidente. Equipes das polícias Civil e Rodoviária Federal estão no local. As vítimas foram socorridas pelos corpos de bombeiros de Vilhena e de Mato Grosso.

De acordo com a Prefeitura de Comodoro, a Van estava levando oito pacientes e mais dois acompanhantes para fazer hemodiálise em Rondônia. Na colisão, morreram oito pacientes e duas acompanhantes além do motorista do veículo. Uma outra acompanhante sobreviveu.

Na caminhonete estariam 3 pessoas, duas não resistiram e morreram no local do acidente. A outra foi socorrida e encaminhada ao hospital municipal. Não há mais informações sobre seu estado de clínico.

Local do acidente (Foto: Divulgação / CBM-MT)

A Secretaria de Saúde de Comodoro divulgou a lista com as identidades das vítimas. Os pacientes eram: João Alves Franco, José Luiz da Silva, Antônio Pereira Soares, Silvalda Souza Silva, Luis Guslinski, Geraldo Aparecido, Cenire dos Santos e Mailon Rocha. As acompanhantes dos pacientes eram Aparecida Guslinski e Elenice Fernandes de Souza. O motorista era o Elias Santos.

No outro veículo estavam Márcio Coelho e Juliano Coelho.

A Prefeitura de Comodoro decretou luto oficial de três dias a partir deste sábado.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFestival Artístico nacional será sediado em Mato Grosso
Próximo artigoBrasil sentirá impactos econômicos da pandemia até 2050, diz pesquisa