Combate à covid: governo de MT cria sistema que divide o Estado “por cores”

Níveis de alerta vão do verde (baixo risco) ao vermelho (risco muito alto) e levam em conta a velocidade de propagação do vírus e a taxa de ocupação das UTIs

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governo de Mato Grosso criou um sistema que estabelece medidas de segurança contra o novo coronavírus baseado no nível de propagação da covid-19 pelas cidades. O esquema classifica as regiões em cores: do verde – que significa uma baixa incidência da doença – até o vermelho – que corresponde ao alerta máximo.

As regras foram publicadas no Diário Oficial do Estado que circulou na última sexta-feira (12) e o classificação das cidades deve ser alterada – ou mantida – a cada 15 dias.

Para cada grau de classificação, mais medidas restritivas à sociedade são impostas. Sempre com o objetivo de manter o distanciamento social – até agora, único meio de se controlar a propagação do vírus.

Definição das cores

O ponto de partida da nova metodologia do governo são cidades que tenham mais ou menos que 40 casos ativos da covid-19, ou seja, 40 pacientes infectados e ainda doentes.

Cidades que não chegaram a esse número serão classificadas com a cor verde (risco baixo), mesmo que a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da região ultrapasse os 80%.

Nestes casos, a classificação passa a ser amarela (risco moderado) ou laranja (risco alto) de acordo com a velocidade de propagação do vírus.

Por exemplo, se a cidade tem 30 infectados e, dentro do período de duas semanas, outras 30 pessoas também forem diagnosticadas – uma taxa de contaminação de 100% -, mas 60% das UTIs ainda estiverem disponíveis, o alerta será amarelo.

Mas se, neste mesmo período, apenas 15 novos casos forem descoberto – uma taxa de contaminação de 50% – mas a taxa de ocupação das UTIs atingir os 80%, então, a classificação será laranja.

(Foto: Reprodução)

Já as cidades que têm mais de 40 casos ativos da covid-19 só serão classificadas com a cor verde se a taxa de ocupação das UTIs não ultrapassar os 80% e o crescimento do número de infectados se mantiver abaixo dos 50%.

Usando como exemplo uma cidade que começa com 50 casos de covid, se em duas semanas, o número de doentes duplicar – ou seja, for atingida a marca dos 100% de contaminação – e a ocupação das UTIs for maior que 60%, a cidade já estará no nível laranja.

Com a mesma quantidade de novos casos sendo registrados a cada 15 dias e a taxa de ocupação das UTIs ultrapassando os 80%, essa mesma cidade evolui para o nível vermelho (risco muito alto).

(Foto: Reprodução)

Medidas sanitárias

As regras do nível de alerta verde valem para todas as demais cores. Elas são, basicamente, as normas sanitárias que já vêm sendo aplicadas em todo o Estado.

Pessoas que fazem parte do grupo de risco, preferencialmente, devem se manter em isolamento social, enquanto que as diagnosticadas com a covid-19 – ou com sintomas que as tornem casos suspeitos – devem fazer quarentena obrigatória.

Locais e estabelecimentos públicos e privados têm que disponibilizar produtos para a higiene das mãos de quem frequenta o espaço. E todos devem usar máscara de proteção facial neste ambientes e manter uma distância de 1,5 metro de outras pessoas.

A limpeza e desinfecção desses locais tem que ser diária. Uma medida que vale, por exemplo, para corrimãos, maçanetas de porta, interruptores, telefones ou qualquer outra superfície que seja utilizada por mais que uma pessoa.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Alerta Verde

O decreto do governo não trata especificamente de atividades econômicas, quais deveriam ser liberadas ou proibidas. A recomendação geral é apenas para que reuniões de trabalho sejam preferencialmente feitas de forma remota.

Mas o texto cita as atividades religiosas. No trecho em que trata das medidas sanitárias necessárias quando o alerta for verde, o decreto do governo diz que atividades de cunho religioso poderão ser realizadas se seguirem determinadas normas.

  • Disponibilização de local e produtos para higienização de mãos e calçados;
  • Distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas;
  • Controle do acesso de pessoas do grupo de risco, inclusive as com idade superior a 60  anos;
  • Suspensão de qualquer contato físico entre as pessoas;
  • Suspensão da entrada de pessoas sem máscara de proteção facial;
  • Suspensão da entrada de pessoas, quando ultrapassar 50% a capacidade máxima do estabelecimento.

Aleta Amarelo

Para as cidades que chegarem ao alerta amarelo, o governo de Mato Grosso vai recomendar as mesmas medidas anteriores, mas também a suspensão das aulas em escolas e universidades.

Somente de acordo com o texto do decreto não é possível afirmar se cidades que estiverem no nível verde poderão retomar essas atividades.

Nesta classificação, o governo de Mato Grosso ainda recomenda às autoridades que implantem quarentena domiciliar aos idosos, ou seja, a orientação para não sair de casa deixa de ser um mero “pedido”.

Alerta Laranja

A partir deste nível o governo de Mato Groso orienta que sejam proibidas atividades de lazer que gerem aglomeração.

Isso quer dizer que estas cidades devem fechar parques, cinemas, teatros, bares, restaurantes, casas noturnas. Também devem proibir eventos esportivos e musicais e o acesso a shopping centers.

Novamente, com base apenas no que está descrito no decreto, não é possível afirmar se este tipo de atividade estaria liberada nos níveis verde e amarelo.

O texto prevê ainda que, nos órgãos públicos, o atendimento presencial deve ser suspenso.

Além disso, as autoridades terão que começar a incentivar uma quarentena voluntária – e preparar medidas para adotar uma obrigatória – para toda a população.

Alerta Vermelho

A cidade que atingir o alerta vermelho deve entrar no regime lockdown, de acordo com as novas diretrizes do governo de Mato Grosso.

Além de adotar todas as medidas já citadas nos casos anteriores, estes municípios terão que implantar a quarentena coletiva obrigatória por um período mínimo de 15 dias; impor barreiras sanitárias para fazer uma triagem de quem entra e sai do município; e manter funcionando apenas as atividades econômicas que forem consideradas essenciais.

Neste ponto, o governo de Mato Grosso destacou que serão consideradas atividades essenciais todas as descritas no Decreto Federal 10.282, publicado no dia 20 de março de 2020, exceto academias, salões de beleza e barbearias.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaixa anuncia cronograma para novo saque do FGTS
Próximo artigoPróximos das 200 mortes