Com Taques ausente, Nilson defende que DEM tem “direito” a lançar candidato

Laíse Lucatelli e Guilherme Waltenberg

Com a ausência do governador Pedro Taques (PSDB) na convenção estadual do Democratas, o deputado federal e líder da bancada tucana na Câmara, Nilson Leitão, defendeu o “direito” de o DEM lançar candidato nas eleições deste ano – mesmo contra o atual governador.

“O DEM Tem todo o direito de lançar candidato, de colocar nome a qualquer tipo de disputa e o PSDB tem que respeitar esse espaço”, afirmou. “Eleição não é guerra, não é trincheira”.

O deputado federal Adilton Sachetti (PRB) reforçou o discurso do tucano. “Não temos que abrir trincheiras; temos que abrir diálogo. Venho aqui externar meu apoio incondicional a este trabalho do DEM”, disse.

Na mesa que compunha o palanque do evento, estavam presentes o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e o recém-filiado ao partido e ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes. Tanto Maia quanto Mendes pleiteiam candidaturas paralelas ao PSDB nos planos nacional e estadual, respectivamente.

No palanque estão líderes de outros partidos, como o vice-governador Carlos Favaro (PSD), os deputados federais Nilson Leitão (PSDB) e Adilton Sachetti (PRB), e o vereador por Cuiabá Dilemário Alencar (PROS).

Também marcaram presença o senador Cidinho dos Santos (PR), Rodrigues Palma (PR) – que é tio do novo presidente do PSDB, Fabio Garcia -, e o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga (PSD).

Taques

O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, não participou do evento do DEM, que faz parte da base de apoio do seu partido na Assembleia Legislativa. De acordo com o presidente do partido, Paulo Borges, Taques estava em um evento dos governadores do Brasil Central.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMP vai apurar responsabilidade por desabamento da Casa de Bem Bem
Próximo artigoMendes: “Ninguém aguenta viver em um Estado em que a ameaça é arma política”

O LIVRE ADS