Com que roupa eu vou? Analista diz que regras no trabalho não são censura

Esta semana a Corregedoria Geral do Estado emitiu uma recomendação aos servidores públicos de Mato Grosso

(Foto: Lukas / Pexels)

Em tempos de dias informais no trabalho, o cuidado com o que se veste não deve cair no desuso. A roupa continua um critério na lista de avaliação profissional e serve para mostrar o limite das relações. 

O Brasil não tem nenhuma legislação que estabeleça regras para o que se deve vestir, mas especialistas em gestão de pessoas orientam que a escolha pessoal passe pela consideração de que nós vivemos em sociedade, que ela depende de ordem. 

“As pessoas precisam acostumar a viver com regras, a sociedade depende disso. Se não houver regra, viramos uma Torre de Babel em que nada faz sentido e tudo é uma bagunça, e hoje temos uma forte tendência para o nonsense”, diz a analista e historiadora Astrid Beatriz Bodstein. 

Ela diz que a avaliação tem nada a ver com censura, mas de saber interpretar as exigências que os espaços públicos de convivência mútua necessitam. “Se quiser o mostrar o corpo vai pra praia, lá você pode. Mas, no emprego não. A depender da função da pessoa, o tipo de roupa que ela usa pode expô-la sobremaneira”, comenta. 

O transpor da linha acontece em vários âmbitos. Esta semana a Corregedoria Geral do Estado (CGE) emitiu uma recomendação do que os servidores estaduais devem usar no âmbito de trabalho. O órgão afirma que as sugestões valem para ambos os sexos e devem ser observadas como medida para manter a formalidade. 

A Controladoria recupera uma portaria publicada em 2019, que veta decotes, vestimentas colantes, bermudas, shorts, regatas, chinelos, tênis, roupas esportivas ou de academias, miniblusas, blusas e vestidos frente única, minissaias, roupas transparentes, etc. 

Segundo o órgão, “é dever do funcionário público manter conduta compatível com a moralidade administrativa”. A orientação foi emitida após dúvidas registradas pelo canal de consulta sobre o tipo de roupa que o servidor deveria usar. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça libera 3 do CV do uso de tornozeleira eletrônica em MT
Próximo artigoCom inflação em alta, negociação pode evitar despejos por atraso em aluguel