Com o tanque na reserva, até onde chegaremos em 2022?

(Foto: Luiz Alves)

Com a pandemia longe de mostrar indícios de um fim,  2022 repete fatores de preocupação do ano anterior para as atividades mais básicas e cotidianas do brasileiro.

As altas no preço que se paga pelo litro do combustível no Brasil, parecem boletos que o cidadão não conseguiu quitar e vez ou outra, batem à porta cobrando os juros, que não param de crescer. Como o valor do petróleo tem subido, a tendência é que o custo na bomba também suba. Aliás, após pouco mais de dois meses perto de uma pequena estabilidade, lá está o brasileiro pagando novamente até mais de R$7 reais por litro.

Essa valorização da gasolina na rotina brasileira não é mera coincidência, pois o peso no orçamento familiar começou a surgir a partir das novas políticas adotadas pelo então presidente da Petrobras, Pedro Parente em 2016. Ainda nas gestões anteriores, com a  nova estratégia comercial o nosso combustível passou a ser um pouco menos “nosso”, já que vem sendo negociado com base no mercado internacional.

A pergunta é quase óbvia, mas: com o câmbio hoje, quantos dólares um brasileiro compra com R$1 real em 2022? 

A conta não fecha. Encher o tanque de um carro popular está perto da agiotagem, mas quem tá cobrando a nota divide o mesmo teto que o motorista. Afinal, é preciso lembrar do poderio do nosso país na produção do petróleo, tão essencial para o mercado de combustíveis.

Enquanto o Congresso Nacional ainda dialoga em um vai e volta para avançar com propostas como a redução do ICMS dos combustíveis, o que o mercado mostra é que até as estimativas dos especialistas já ficaram para trás.

Em pesquisa da ValeCard, no primeiro trimestre de 2022, haveria uma queda de 5,94% na gasolina vendida por R$6,18. Acontece, que já em janeiro, houve mais um aumento e grande parte do país se aproxima dos R$7. Ou seja, tem que melhorar demais pra piorar só um pouco pra quem foi esperançoso no desejo de ano novo, de que o tanque completo seria menos de R$300. Quase 25% de um salário mínimo.

Com a disparada do dólar, a luz vermelha é acionada. É preciso dar atenção ao que é essencial para a economia brasileira, para a rotina do pai de família, para os trabalhadores que perderam seus empregos durante os dois anos de pandemia e investiram os últimos centavos, em um veículo para trabalhar por aplicativo.

O Senado Federal tem se movimentado para aprovar o “Programa de Estabilização” do preço do barril do petróleo e derivados no Brasil, em fevereiro. A Câmara já avançou na pauta, aprovando em 2021 o projeto que acaba com a variação do percentual do ICMS que incide sobre os combustíveis, de minha autoria.

 

2022 e a pergunta é:  quando a política da Petrobras vai ser questionada e atualizada?

Em 18 de janeiro deste ano, o petróleo atingiu sua maior cotação em 7 anos tanto na Europa, quanto nos Estados Unidos e o mercado internacional tem comemorado. Isso porque estima-se que o valor do barril chegue a US$100 até o terceiro trimestre do ano.

Se a pandemia influencia, o surgimento da variante Ômicron e até ataques de drones a estações petrolíferas, é claro que a política da nossa estatal também salga o preço da commodity por aqui.

Como parlamentar, entendo e valorizo a autonomia que a Petrobrás tem hoje, no entanto, não é possível que haja avanço sólido da economia, se somente o mercado internacional é valorizado. É preciso mudar, olhar pra dentro, valorizar também a condição de produtor e criar políticas que evitem que o brasileiro estanque.

O Congresso tem buscado medidas para diminuir os impactos no custo para o consumidor, no entanto, há uma tríade que envolve alta do dólar, uma matriz energética insuficiente e a política da Petrobrás, nesse mecanismo que só tem aumentado os custos para o consumidor.

Sem olhar para a economia brasileira e arrumar o jogo, logo veremos prefeitos e governadores recuando de decisões como o congelamento do ICMS e carros particulares, transporte público e empregos na reserva constante.

Emanuel Pinheiro da Silva Primo conhecido no meio político como Emanuelzinho é graduado em gestão pública, empresário e político brasileiro. Atualmente é presidente estadual do PTB e deputado federal pelo Mato Grosso.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrestação Jurisdicional Eletrônica
Próximo artigoCuiabá: mais de 50 mil procuraram atendimento médico nas três primeiras semanas do ano