Com aumento de 306%, governo de MT emite alerta sobre casos de malária

Uma das preocupações do Estado é com a possibilidade de pacientes infectados com a malária e a covid-19 ao mesmo tempo

(Foto: Reprodução)

O comparativo entre janeiro e fevereiro de 2020 e 2021 é alarmante. Neste ano, Mato Grosso já teve um aumento de 306% no número de infecções por malária. Uma pessoa morreu em Várzea Grande (região metropolitana), mas a suspeita é que a doença tenha sido contraída em Pontes e Lacerda. A área de garimpo no município que fica a 445 quilômetros de Cuiabá é o possível foco de contágio.

No primeiro bimestre de 2020, Mato Grosso registrou 234 casos da doença. Neste ano, até o último dia 18, já haviam sido notificados 717. 

O quadro clínico da malária pode ser leve, moderado ou grave, dependendo da espécie e quantidade de parasitas no corpo do paciente, do tempo em que a pessoa permanece doente e também de seu nível de imunidade.

Por conta disso, o diagnóstico precoce e o tratamento específico são a única forma de evitar um agravamento do estado de saúde e, consequentemente, a morte.

Uma das preocupações da Vigilância Epidemiológica de Mato Grosso é com a possibilidade de pacientes também infectados com a covid-19. O alerta para os profissionais de saúde é de atenção redobrada aos diagnósticos.

Os sintomas da malária são febre aguda, calafrios, dor de cabeça, sudorese, náuseas e vômito. Pacientes em situação avançada também apresentam convulsão, falta de ar, hemorragias e alterações de consciência.

A malária é uma doença transmitida pela picada do mosquito Anopheles. O período de incubação varia de 7 a 14 dias.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOferta de 4 milhões de doses
Próximo artigoPandemia: Governo de SP estuda adoção de toque de recolher