Com apoio da CNA, Mapa inaugura observatório da agropecuária

Projeto dará à informações estratégicas para basear decisões relacionadas às políticas públicas de desenvolvimento do setor agropecuário

O observatório vai reunir dados sobre o setor produzidos por diversas unidades do Mapa - Foto: Carlos Silva/Mapa

Com o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) inaugura nesta quinta (5), o Observatório da Agropecuária Brasileira. O projeto dará amplo acesso às informações estratégicas para basear decisões relacionadas às políticas públicas de desenvolvimento do setor agropecuário.

O lançamento contará com a presença do presidente da CNA, João Martins, do presidente da República, Jair Bolsonaro, e da ministra Tereza Cristina.

A iniciativa permitirá o acompanhamento e gestão integrada dos dados produzidos por diferentes unidades do Mapa e de outros ministérios que tenham projetos relacionados a diferentes cadeias produtivas e setores da agropecuária.

O observatório vai reunir dados de várias unidades do Mapa e serão analisados por equipes de especialistas – Foto: Carlos Silva/Mapa

A ferramenta integra o Portfólio de 18 Projetos Estratégicos da gestão atual do Mapa, que reúne um conjunto de ações que visam ampliar a competitividade e produtividade do setor, identificando os riscos de perda de mercados e desafios relacionados aos custos para produtores, exportadores e Estado ou com problemas sociais e ambientais no meio rural.

A CNA apoiará por meio do fornecimento de equipamentos, infraestrutura, apoio de pessoal e compartilhamento de dados.

Tecnologia de ponta

O Observatório funcionará em uma sala de situação interativa instalada na Secretaria de Inovação, no edifício sede do Mapa, onde será possível fazer o cruzamento de informações de diferentes bases de dados sobre agropecuária que poderão ser visualizados em um painel avançado de inteligência (Business Intelligence).

O espaço conta com tecnologia de ponta, 12 telas de vídeos integradas, além de recursos de interligação de dispositivos móveis, computadores e videoconferência. Entre as informações disponibilizadas pelos recursos tecnológicos estão imagens de satélite, gráficos com dados econômicos, comerciais, produção em nível nacional e regional.

O objetivo da ferramenta é facilitar o acesso do gestor à base diversificada de dados agropecuários produzidos pelo Ministério, tornar as estatísticas mais transparentes, qualificáveis e georreferenciadas, para deixar o processo de decisão mais dinâmico e prevenir a ocorrência de riscos ou crises.

O instrumento possibilitará, por exemplo, o cruzamento mais ágil de informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ou da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com a Secretaria de Política Agrícola. Dados da Embrapa Territorial, do Plano da Agricultura de Baixo Carbono e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) também poderão ser acessados de forma integrada pelos gestores.

Com tecnologia de ponta, observatório vai reunir dados agropecuários de diversas unidades do Mapa – Foto: Carlos Silva/Mapa

O secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo, avalia que o observatório é um marco importante para a gestão do Mapa, pois é a primeira vez que a pasta vai consolidar todos os dados da agropecuária brasileira.

“Vamos consolidar dados sobre produtividade, georreferenciamento territorial, questões fundiárias, agricultura familiar, enfim, todo o leque de atuações do Mapa. No curto e médio prazo a gente vai ter um benefício interno de poder realizar a política pública baseada em dados consolidados pelo observatório, e mais a longo prazo acreditamos que o cidadão também vai fazer bom uso desses dados”, comentou Camargo.

Um grupo de trabalho foi formado com representantes de todas as secretarias e unidades do ministério para identificar todos os sistemas e bases de informações já existentes.  Inicialmente, o observatório concentrará as informações produzidas pelo Mapa. A sala será operada por uma equipe multidisciplinar formada por especialistas em georreferenciamento e processamento remoto, entre outros técnicos.

A expectativa é que, em uma fase futura, o observatório também disponibilize dados públicos gerados por outras instituições, como Agência Nacional de Águas (ANA), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e que o acesso à plataforma também seja ampliado ao público externo via web.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistro da Educação anuncia investimentos em Mato Grosso
Próximo artigoAgBiTech firma parceria e mira 2 mi de hectares tratados com defensivos biológicos

O LIVRE ADS