Com 9 assinaturas, AL instala terceira CPI sobre renúncia e sonegação fiscal

O requerimento para criação da nova Comissão Parlamentar de Inquérito será apresenta em plenário na próxima terça-feira

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Com nove assinaturas, o deputado estadual Wilson Santos (PSDB) apresenta em plenário, na próxima terça-feira (12), o requerimento para criação da nova Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia Fiscal e Sonegação Fiscal. Esta será a terceira CPI sobre o tema instalada na Assembleia Legislativa em cinco anos.

Seis dos nove parlamentares que assinaram o requerimento são “novatos”, sendo eles Claudinei Lopes (PSL), João José (MDB), Lúdio Cabral (PT), Thiago Silva (MDB), João Batista (Pros) e Elizeu Nascimento (DC). Além deles, Janaina Riva (MDB), Valdir Barranco (PT) e o próprio Wilson Santos estão na empreitada.

Segundo o autor do pedido, que foi membro titular das outras duas CPIs concluídas sem resultado prático, esta não tem por intuito apurar somente a sonegação fiscal do setor do agronegócio.

“Nós temos informação de dentro do setor de combustíveis que mais de R$ 100 milhões são sonegados todos os anos. Também vamos analisar a evasão do ouro, madeira, gado em pé, que tem saído para estados vizinhos simbolicamente para não pagar impostos. A CPI não é só sobre o agronegócio, é muito mais abrangente”, argumentou.

Ainda de acordo com o tucano, há informações que entre R$ 1 e R$ 2 bilhões são sonegados por ano em Mato Grosso. “Para arrumar o Estado, é preciso atacar em várias frentes e, entre elas, está combater a sonegação. Queremos contribuir, apontando os sonegadores e propondo punições. Esse é o nosso papel”.

O estigma da pizza

Um dos deputados novatos que assinou o requerimento, João Batista destacou que é preciso trabalhar para acabar com o estigma de que toda CPI acaba em pizza e limpar a imagem da Assembleia Legislativa. “Quando se fala em CPI, todo mundo fala em pizza. Nós temos que trabalhar para que não seja dessa forma e isso não vai acontecer se a CPI não tiver resultado prático”.

Oriundo do movimento sindical, ele ressaltou ainda que a comissão dará oportunidade para que os sindicalistas trabalhem com números reais sobre a arrecadação do governo, que alega crise financeira e parcelou salários. “Há um desequilíbrio muito grande entre aquilo que o governo fala e o que falam os movimentos sindicais e um dos pontos divergentes diz respeito, justamente, às isenções fiscais. Agora, os movimentos vão poder dizer se está certo ou se está errado”.

Para abrir a CPI, que será formada por cinco deputados titulares e cinco suplentes, eram necessárias oito assinaturas (um terço da Assembleia Legislativa). Esta será a primeira comissão instalada nesta Legislatura, que realiza a primeira sessão ordinária na próxima terça.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmanuel Pinheiro quer conhecer a “neta”
Próximo artigoSaques na poupança superam depósitos em R$ 11,23 bilhões em janeiro