Com 15 passagens, homem bate moto em frente ao shopping e tenta fugir

Militares identificaram que o veículo em que ele estava não tinha documentos nem chassi identificável

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um homem de 44 anos, e com 15 passagens na polícia, foi preso na manhã de sexta-feira (7), depois que foi flagrado por militares tentando fugir de uma colisão, em frente ao Shopping de Várzea Grande. O veículo que ele dirigia também foi apreendido porque não apresentava número de identificação.

Conforme a polícia relatou, a equipe de ciclismo estava em rondas na avenida Filinto Muller, em Várzea Grande, quando viu um homem, em uma motocicleta, colidir contra uma bicicleta que transitava na faixa de pedestres. Depois, ele fugiu do local.

Cerca de mil metros a frente, os militares e uma equipe da Guarda Municipal conseguiram abordar o suspeito, sendo que em seu nome constavam 15 passagens criminais, entre elas por furto, roubo e homicídio.

Quando a polícia foi checar sobre a motocicleta, não encontrou placa nem identificadores, além de que o número de chassi e do motor não estava sendo localizado no banco de dados.

O suspeito também não tinha documentos da moto, nem comprovante de pagamento, uma vez que ele alegou ter acabado de comprá-la no bairro Pedra 90, em Cuiabá.

Assim, ele acabou detido e levado para a delegacia. Como o Detran estava inoperante, a moto ficou recolhida no pátio externo da delegacia.

Lá na delegacia, o suspeito também confessou que cometeu um assassinato em Vilhena (RO) e que não retornou para responder pelo crime. A informação não conseguiu ser confirmada pelos policiais junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), porque o site nacional estaria em manutenção.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBoca de Arte realiza apresentações musicais com alunos da instituição no domingo
Próximo artigoCPI dos Maus-tratos encerra trabalhos com propostas polêmicas