Com 100% dos ônibus parados, como profissionais da saúde irão trabalhar? Sindicato considera decreto irresponsável

Prefeitura afirmou que estuda uma alternativa para que servidores possam se locomover

Imagem ilustrativa (Foto: Suellen Passetto / O LIVRE)

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) decretou nessa sexta-feira (20), entre outras coisas, a paralisação de 100% da frota de ônibus de Cuiabá a partir da próxima segunda-feira (23), em razão da pandemia mundial de coronavírus.

O comércio também será obrigado a fechar e os servidores da prefeitura poderão trabalhar em casa. Os profissionais da saúde, no entanto, deverão continuar trabalhando, afinal, são essenciais no combate à doença.

Mas, sem ônibus, como os profissionais que dependem do transporte coletivo irão para seus postos de trabalho?

Questionada, a assessoria da Prefeitura de Cuiabá se restringiu a dizer que “a prefeitura vai estudar uma alternativa para os profissionais da saúde”.

O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus irá se reunir na manhã deste sábado (21) e a previsão é que a alternativa para os profissionais da saúde seja decidida durante essa reunião.

Questionado, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde de Mato Grosso, Oscarlino Alves, afirmou que a atitude do prefeito foi impulsiva e irresponsável.

“A nossa posição enquanto sindicato é admitir que, se realmente a posição dele for a suspensão de 100% do coletivo, é uma decisão irresponsável, porque a gente entende que não existirá uma logística apropriada para o deslocamento desses profissionais, nem da iniciativa privada, nem do serviço público, já que a grande maioria dessas pessoas depende do transporte coletivo”, afirmou o sindicalista.

Oscarlino Alves, presidente do Sisma, critica decisão do prefeito de paralisar ônibus e não ter estudado medida alternativa para profissionais da saúde que serão obrigados a continuar trabalhando (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Oscarlino disse esperar que para tomar uma atitude como essa – de retirar 100% dos ônibus das ruas – o prefeito tenha feito um estudo antes, caso contrário, foi uma atitude impulsiva.

“Se for nesses termos de suspender 100% dos serviços, eu imagino que o prefeito deva ter uma logística para buscar funcionários públicos e funcionários da iniciativa privada, porque a grande maioria dos trabalhadores da saúde não tem veículo próprio. Se for dessa forma é uma atitude irresponsável e até criminosa, porque se torna um ato de improbidade fazer isso”.

O sindicalista afirmou entender que estamos vivendo um momento muito grave e sério, mas que as decisões precisam ser avaliadas com um comitê, para não correr o risco de interromper os serviços de saúde.

“Existem outras medidas de conter. Foram canceladas as carteiras de passe livre, que impossibilita idosos e alunos de utilizar o transporte coletivo. Existem regras para adentrar ambientes fechados, por exemplo, supermercados, contar quantas pessoas entram por vez. Dá para fazer isso no transporte coletivo e priorizar os trabalhadores da saúde”, afirmou.

“Que a logística seja estudada, priorizando o transporte dos trabalhadores da saúde pública e privada”, completou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. De repente nesses 40 a 60 dias, liberar tipo um Vale locação, para esses funcionários locarem um carro para uso pessoal para poderem ir ao trabalho, seria um opcao, pois realmente se nao pararmos os contatos o risco de aumenta.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMorador de Várzea Grande é segundo caso de covid-19 confirmado em MT
Próximo artigoSinop: prefeitura prorroga IPTU e pede suspensão dos cortes de água e energia