Cobrança do Fethab do milho será discutida na próxima semana na ALMT

A audiência pública reunirá representantes do setor produtivo que defendem que a cultura está arriscada com a tributação

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Com menos de 20 dias para completar seis meses desde a aprovação do novo Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) e inserção da cobrança sobre o milho, a taxação da cultura ainda é assunto de debate em Mato Grosso. Produtores e entidades representativas dos agricultores, defendem que com esse tributo a cultura está em risco, em vista do alto custo de produção e dos eminentes riscos climáticos.

Por esse motivo, na próxima terça-feira (16), será realizada uma audiência pública na Assembleia Legislativa (ALMT), para discutir os impactos dessa tributação na cultura.

O encontro, realizado a pedido do deputado estadual Ulysses Moraes (DC) vai ocorrer às 9h e reunirá produtores de todo o Estado que, liderados pelo Movimento Mato Grosso Forte, exigem o fim da cobrança do Fethab do milho, a pavimentação das estradas estaduais, um plano de ação governamental para o restabelecimento das finanças estaduais e a redução da máquina pública.

Encabeçado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), o movimento defende que a nova taxação trouxe inúmeros resultados negativos que impactam não apenas na agricultura, mas também em outros setores, já que a ração para a criação é feita basicamente de milho, que ficou mais caro com a tributação.

Já o deputado Ulysses alega que a produção de milho muitas vezes chega a dar prejuízo ao produtor que o planta para manter os funcionários e abastecer o mercado. “Ele tem um valor que oscila muito no mercado e não traz segurança a quem o cultiva. Há ainda um agravante, já que o milho é usado na ração de suínos e seu aumento no custo impacta diretamente no custo da criação, deixando a carne de porco mais cara”, afirmou.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJuíza mantém prisão de cantor que vazou nudes da ex-namorada
Próximo artigoMT planeja expandir área e produção do café