Cinco são presos em operação que apura desvio de R$ 10 milhões

De acordo com a Polícia, os desvios teriam sido praticados na aquisição de lousas digitais falsas que seriam entregues para escolas de educação básica

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Cinco pessoas foram presas na Operação Quadro Negro, deflagrada na manhã desta terça-feira (22) com o objetivo de investigar supostos desvios de dinheiro público do Centro de Processamento de Dados do Estado (antigo Cepromat), hoje Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI).

Ao todo foram expedidos 6 mandados de prisão preventiva e 7 de busca e apreensão domiciliar, que serão cumpridos em Cuiabá (MT), Brasília (DF) e Luziânia (GO).

Foram presos os ex-presidentes do Cepromat Wilson Celso Teixeira, o Dentinho, e Djalma Soares; assim como Francisvaldo Pereira de Assunção, Weydson Soares Fonteles, Edevamilton de Lima Oliveira e o empresário Valdir Piran.

As ordens judiciais partiram da juíza Ana Cristina Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal da Capital, que decretou ainda o sequestro de mais de R$ 10 milhões, em dinheiro, imóveis e veículos de luxo.

De acordo com a Polícia, os desvios teriam sido praticados na aquisição de lousas digitais falsas que seriam entregues para escolas de educação básica.

O trabalho é conduzido pela Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (DECCOR), em conjunto com o Comitê Interestadual de Recuperação de Ativos (CIRA) e Ministério Público Estadual (MPE).

A operação é coordenada pelos delegados Anderson Veiga, Luiz Henrique Damasceno e Bruno Lima Barcellos. Detalhes sobre os trabalhos serão passados em coletiva de imprensa, às 09h30, na Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz).

(Com assessoria)

(Atualizada às 8h17)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO que vai cair no Enem? Professores de três das melhores escolas públicas de Cuiabá respondem
Próximo artigoPF deflagra operação contra a venda de notas falsas em Cuiabá

O LIVRE ADS