Cinco pessoas tratam a covid-19 com plasma em Cuiabá e resultados são positivos

Patologista que coordena o tratamento diz que pacientes têm apresentado melhoras graduais do quadro grave da infecção

O plasma consiste na parte líquida do sangue que é injetada no organismo do paciente da covid-19 como alternativa e tratamento natural com anticorpos (Foto: Reprodução/Prefeitura de Caxias do Sul)

Cinco pessoas  em Cuiabá estão em tratamento da covid-19 com plasma de pacientes já curado e as respostas iniciais são positivas. Médica patologista do Hemosan, Paloma Borges diz que, para eles, está se reduzindo a necessário de oxigênio no auxílio para a respiração e o quadro de sintomas vem apresentando melhora gradual. 

Não é um tratamento que você faz e, três dias depois, recebe alta. É um processo lento em que o paciente tem melhorado aos poucos. Estão dependendo menos dos aparelhos respiratórias, reduziram a infecção nos pulmões”, explica. 

O tratamento teve início da há duas semanas em Cuiabá e, no momento, está sendo coordenado pela central de doações de sangue, responsável pela coleta. 

Conforme a patologista, a transfusão vale estritamente para pessoas que estejam em situação avançada da infecção causada pelo novo coronavírus, quando já estão em internadas em Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). 

“O motivo disso é que o resultado positivo apresentado pelas pesquisas, principalmente da China, com esse tipo de tratamento foi com pessoas que já estavam em estágio avançado da infecção. Então, a pessoa precisa ser maior de 18 anos e estar nessa situação”, ela explica. 

Tratamento natural 

O tratamento com o plasma ocorre entre pessoas que já estão com o vírus no organismo. O doador do sangue é alguém que já testou positivo e passou pelo período de quarentena e desenvolveu anticorpo de combate ao Sars-Cov 2. 

O plasma é a parte líquida do sangue já com anticorpos, considerados o processo natural de imunização do organismo. Ele é transferido para o organismo do paciente em estágio avançado de infecção para ajudar a combate a evolução da doença. 

A patologista Paloma Borges afirma que três dias após a transfusão os pacientes já apresentavam sinais visíveis de melhora nas vias respiratórias. 

Teste 

Estudos com resultados positivos nos pacientes que receberam o plasma começaram a ser publicados em maio. A ONG norte-americana Mayo Clinic afirma que 66% dos cinco mil pacientes que passaram por esse tratamento tiveram resposta positiva. 

O teste foi realizado com pessoas classificadas no estágio grave da covid-19. Elas apresentavam falta de ar, diminuição da saturação de oxigênio no sangue, insuficiência respiratória, choque séptico e disfunção ou falência múltipla de órgãos. 

Contudo, assim como outros tratamentos que apareceram desde o início da pandemia, a transfusão não é consenso entre os médicos, apesar de haver histórico de cura de outras doenças, como coqueluche e tétano. 

Conforme o médico especialista em imunização de doenças infecciosas, Alexandre Machado, a transfusão do plasma, inclusive, não está dentre as prioridades dos médicos neste momento, que estão focados nas alternativas de medicamento. 

Em Cuiabá, uma pessoa morreu após receber a transfusão. Mas a patologista Paloma Borges explicou que a decisão pelo tratamento ocorreu em estágio muito tardio da covid-19, já com menos garantias de que houvesse reversão do quadro.  

Mesmo assim, a família do paciente optou pelo tratamento. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPor não aceitar separação, mulher vai ao cemitério para agredir ex-marido
Próximo artigoMP de Mato Grosso quer proibição de tiro esportivo para menores