|sábado, 21 abril 2018

Cinco perguntas para EDUARDO MAHON

COMPARTILHE COMPARTILHE

O LIVRE

5 perguntas para Mahon

O advogado Eduardo Mahon é figura presente na política e na literatura mato-grossenses. Autor de sete livros já publicados, Mahon prepara mais dois lançamentos para 2018, com um deles previsto ainda para o primeiro semestre. Enquanto isso, o advogado, que é carioca, continua a escrever sobre os temas mais atuais da política estadual e participando dos debates com relação às ações da prefeitura de Cuiabá e do Governo do Estado.

Há alguns anos, Mahon chegou a se filiar ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), mas deixou a sigla quando o escândalo dos grampos começou a atingir o Governo do Estado.

O Livre – Cuiabá ou Rio de Janeiro?

Eduardo Mahon – Paris. Se for escolher… Porquê são várias cidades dentro de uma cidade. Meu problema não é pessoal com nada, mas eu gosto de experimentar. Francamente, prefiro não ir ao mesmo restaurante todos os dias.

O Livre – Se fosse para uma ilha deserta, quem você levaria: Pedro Taques ou Emanuel Pinheiro?

Eduardo Mahon –
 Isso não aconteceria, porque eu não viajaria com nenhum dos dois. Nós não chegaríamos a uma ilha deserta, certamente.

O Livre – E sobre os fundos e, principalmente, o Fundeb. O governo pedalou?

Eduardo Mahon –
 Para começo de conversa, a defesa do governo não pode ser feita pelo controlador-geral [Ciro Rodolpho Gonçalves]. Quem defende o governo é o procurador-geral do Estado. Mas na minha opinião o que aconteceu foi um jogo de palavras. O que o governo está fazendo, em português, se chama eufemismo. Se pedalou, ou não, eu falo de um eufemismo contábil. O Fundeb é um dinheiro efetivamente recolhido. Se você recolhe e tem obrigação legal de fazer a reserva e o depósito no fundo, quem não faz está desviando de finalidade aquela determinada proporção. Ponto final.

O Livre – O livro do João Emanuel (advogado e ex-presidente da Câmara de Cuiabá). é bom ou ruim?

Eduardo Mahon –
 Não li. É muito difícil eu ler livros muito contemporâneos. A minha preferência é ler, ou reler, alguns clássicos e me embrenhar em alguns segmentos. Por exemplo, desde outubro estou empenhado em ler os japoneses como [Kazuo] Ishiguro e [Haruki] Murakami. Meus planos são de ler uns 30 ou 40 livros de autores japoneses até o final deste ano. Não sobrou espaço para o João Emanuel.

O Livre – Em 2018, Eduardo Mahon é candidato a quê?

Eduardo Mahon – Sou candidato a autor de mais dois livros. O primeiro é o Homem Binário e Outras Memóricas da Senhora Bertha Kowalski e o segundo, que vai ser um lançamento nacional, se chama Alegria e conta a história de um médico que vai a uma ilha amazônica e as pessoas começam a se matar, sem a menor explicação.

Leia também:

Cinco perguntas para CARLOS FÁVARO

Cinco perguntas para CIDINHO SANTOS

Cinco perguntas para DOMINGOS SÁVIO

Cinco perguntas para VALDIR BARRANCO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

DESTAQUES

Comerciante reage a assalto, tira arma de bandido, mata um e fere outro

Terceira mulher é estuprada próximo à Unemat de Sinop

Clarice Lispector e irmã escreviam manuais para “amansar” empregadas, relembra pesquisadora da UFMT

Família pede doação de sangue para o músico Bolinha

Juiz autoriza confisco de bens em cobertura dos Malouf por receio de calote

X