Cinco deputados envolvidos na Bereré prestam depoimentos na próxima semana

Parlamentares são suspeitos de se beneficiar de valores desviados do Detran-MT

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Os deputados estaduais Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), Romoaldo Junior (MDB), Wilson Santos (PSDB), Baiano Filho (PSDB) e José Domingos Fraga (PSD) serão ouvidos pelos promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) durante a próxima semana. Eles são suspeitos de terem se beneficiado de recursos desviados do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT).

O caso é investigado na Operação Bereré. Além dos parlamentares, também deverão prestar depoimento o ex-secretário de Estado de Saúde Pedro Henry Neto e o chefe de gabinete do ex-goverandor Silval Barbosa, Silvio Cezar Correa Araújo – veja a lista completa ao final da matéria.

Na segunda-feira, os promotores irão interrogar Nininho e Pedro Henry. Na terça-feira, será a vez de Silvio Correa, Baiano Filho e Romolado Junior. Wilson Santos será ouvido na quarta-feira e José Domingo Fraga, na quinta.

No total, 12 pessoas serão ouvidas nesta segunda fase da operação. Na sexta-feira (23), o desembargador José Zuquim Nogueira, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, autorizou o Gaeco a investigar os cinco deputados estaduais supostamente envolvidos no caso de corrupção no Detran-MT.

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB) e o deputado Mauro Savi (PSB) também são investigados. De acordo com a apuração inicial do caso, R$ 27,7 milhões teriam sido desviados em um contrato do órgão com a FDL Serviços de Registro Cadastro, Informatização e Certificação de Documentos Ltda., atualmente denominada EIG – Mercados. Os valores seriam lavados por meio da Santos Treinamento e Capacitação de Pessoal Ltda, uma empresa de fachada, de acordo com o Gaeco.

A operação se baseou inicialmente em depoimentos do ex-presidente do Detran-MT Teodoro Lopes, conhecido como Dóia. O ex-presidente da autarquia delatou ao Ministério Público Estadual (MPE) o esquema que envolvia o superfaturamento na compra de lacres para placas no órgão que, posteriormente, eram redistribuídos entre agentes do esquema.

Depoimentos na próxima semana
1. Pedro Henry Neto, 02/04/2018
2. Ondanir Bortolini, 02/04/2018
3. Antônio Eduardo da Costa e Silva, 03/04/2018
4. José Joaquim de Souza Filho, 03/04/2018
5. Silvio Cezar Correa Araújo, 03/04/2018
6. Romoaldo Aloisio Boraczynski Junior, 03/04/2018
7. Dauton Luiz Santos Vasconcelos, 04/04/2018
8. Wilson Pereira dos Santos, 04/04/2018
9. José Domingos Fraga Filho, 05/04/2018
10. Marilci Malheiros Fernandes de Souza Costa e Silva, 05/04/2018
11. Luiz Fernando da Silva Flaminio, 05/04/2018
12. Maria de Fátima Azoia Pinoti, 05/04/2018

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFesta para o Prêmio Açorianos de Literatura
Próximo artigoAposentadoria de Selma é aprovada pelo TJ e ela pode sair candidata

O LIVRE ADS