Cidades insustentáveis: 28 municípios de MT podem ser extintos

Proposta de Bolsonaro quer “reduzir gastos”; prefeitos estão receosos

Município de Araguainha tem menos de mil habitantes e pode ser extinto (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Uma proposta do presidente Jair Bolsonaro (PSL) pode acabar com 28 municípios mato-grossenses. É o plano “Mais Brasil”, que prevê a extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes e com arrecadação própria menor que 10% da receita total. O texto foi enviado ao Congresso Nacional nessa terça-feira (5).

Segundo o IBGE, 34 cidades do Estado possuem menos do que o número mínimo de habitantes exigidos na proposta. Os dados levam em consideração a estimativa da população para 2019.

Contudo, levantamento do LIVRE apontou que, desses municípios, seis apresentaram boa autonomia financeira em 2018 e foram considerados autossustentáveis. A informação consta no Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) 2019, divulgado no final de outubro.

Isso significa que, apenas com os impostos básicos (como IPTU e ISS), a cidade consegue dinheiro suficiente para manter a estrutura básica da prefeitura e da Câmara dos Vereadores.

Conforme o resultado, estariam fora da lista de extinção os seguintes municípios: Araguaiana, Conquista D’Oeste, Itaúba, Nova Nazaré, Santa Carmem e Santa Rita do Trivelato. Todos tiraram notas superiores a 0,6 (o máximo é 1) e tiveram a gestão considerada boa ou excelente.

Redução de custos

Com a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Pacto Federativo, Bolsonaro alegou a redução de gastos. A ideia é que os municípios extintos se tornem distritos de outras cidades maiores vizinhas. Ele também quer restringir a criação de novos municípios.

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, disse que recebeu a proposta com cautela e, a princípio, é contrário. Ele destacou que, quando se tira da conta as receitas do ICMS e do Fundo de Participação dos Municípios, que são repassados às prefeituras, diversos municípios não alcançam a meta de Bolsonaro.

Ele ainda questionou a incorporação dos municípios, considerando a distância entre eles. Neurilan citou o caso de Rondolândia (1.070 km de Cuiabá). Segundo ele, a cidade teria que ser incorporada à Colniza – que fica a 710 quilômetros.

“Imagine a dificuldade do prefeito para prestar os serviços à população, como o transporte escolar, postos de saúde, coleta de lixo, infraestrutura e outros essenciais. E como ficariam os servidores destes municípios?”, questionou.

Nesta quarta-feira (6) ele está em Brasília (DF), para articular a reprovação do texto junto da bancada federa de Mato Grosso.

Município de Araguaiana tem 3,1 mil habitantes mas boa economia, aponta Firjan (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Prefeitos receosos

Em Araguainha, menor município de Mato Grosso, o prefeito recebeu com tristeza a notícia sobre o projeto de Bolsonaro. Ao LIVRE, Silvio José de Morais Filho, o Silvinho, disse que “é como receber a informação de que um parente, que está na UTI, morreu”.

Apesar de reconhecer que, sozinho, o município não tem condições de se manter, ele lembra que é um lugar com “uma história que está sacramentada”. “São 55 anos de emancipação política”, comentou.

Hoje, segundo ele, cerca de mil pessoas moram por lá, onde a principal economia sai da atividade agropecuária. Caso o projeto do governo federal seja aprovado, Araguainha deverá fazer parte de Alto Araguaia, distante 70 km da cidade.

Apesar de apresentar uma boa economia, a cidade de Araguaiana também aguarda o desfecho do projeto de forma receosa. O prefeito Getúlio Dutra Vieira Neto diz que “tranquilo não dá pra ficar”.

Ele chama a proposta de Bolsonaro de “indecente” e garantiu que a cidade, que vive da agropecuária, tem crescido. Caso tenha que deixar de ser município, a população de Araguaiana vai estar ligada a Barra do Garças, distante 50 km.

“É uma coisa de quem não conhece o país e não tem amor pela terra. Isso vai piorar muito para a população, sem dúvidas”, destacou.

A PEC enviada pelo presidente Bolsonaro ainda aguarda tramitação no Congresso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaos na Bolívia leva turistas ao desespero e prejudica cidade brasileira
Próximo artigoMilitares são julgados