Cemitério dentro de um restaurante? Conheça este e outros cinco bem curiosos

Na Índia, um restaurante fora do comum! Mas tem também um "aéreo". Venha ver!

Cemitérios por si só, são ambientes estranhos e um tanto quanto perturbadores, apesar de refletirem a paz do descanso daqueles que já se foram.

Entretanto, enquanto no Brasil temos cemitérios bastante convencionais, outros lugares do mundo oferecem uma nova perspectiva para o descanso eterno dos mortos. Por exemplo, dentro do estacionamento de um mercado.

No estacionamento de um Walmart, na Georgia, está o histórico cemitério Crowley. Criado lá por 1800, ele possui 13 túmulos da família Crowley. A ideia é que os corpos pudessem descansar em paz no que, naquela época, era o topo de um morro. Mas os tempos mudaram, a cidade cresceu e um estacionamento foi construído ao redor dos túmulos.

Já outro, também nos Estados Unidos, na Georgia, fica em uma das pistas do aeroporto de Savannah. São os túmulos de Richard e Catherine Dotson. Na época em que o aeroporto foi construído, sobre um cemitério, a maior parte dos parentes dos mortos concordou que os corpos fossem movidos. Mas não os Dotson. Então Richard e Catherine continuam por lá até hoje.

Nas Filipinas, existe também um cemitério “aéreo”. Os caixões ficam suspensos em penhascos para preservar uma tradição milenar da cultura do país. Entretanto, nenhum consegue ser mais bizarro que este localizado em um restaurante indiano.

O New Lucky é um restaurante que acabou sendo erguido em um local onde antes era um cemitério. O dono do estabelecimento, no entanto, só descobriu isso quando já tinha pago o terreno para a construção e, como já era tarde demais para procurar outro lugar, resolveu aproveitar esse detalhe bizarros na “decoração” do restaurante. Por incrível que pareça, isso acabou se tornando uma peculiaridade do New Lucky, conquistando mais clientes.

No Alasca, nos EUA, também há um cemitério bastante inusitado, mas mais aconchegante. Os mortos do povoado de Eklutna enterram seus familiares em casinhas coloridas mesclando ritos da ortodoxia russa com a tradição dos nativos do Estado.

Depois de quarenta dias do velório, a casinha é construída e pintada acima da cova. Depois disso, cabe à natureza sua completa degradação.

Por fim, há o “cemitério feliz”, localizado na Romênia. A proposta do cemitério é bastante original: cada túmulo recebe uma representação artística do falecido exibindo a causa de sua morte. Além disso, um pequeno poema é talhado. Entretanto, por conta de diversas mortes em épocas difíceis como na Segunda Guerra Mundial, é difícil manter-se “feliz” por muito tempo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.