Cefaleia: o mal que atinge 80% das crianças e adolescentes no Brasil

Pais devem ficar atentos às mudanças no comportamento, como a indisposição para atividades que antes eram prazerosas

Quase uma unanimidade nos consultórios mundo a fora, a cefaleia é um dos sintomas mais comuns na medicina e apontada por especialistas como uma das causas mais frequentes de procura por atendimento ambulatorial até serviços de emergência.

Popularmente conhecida como dor de cabeça, a cefaleia é considerada por autoridades em saúde a sétima doença mais incapacitante do mundo. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que 90% da população global já teve, tem ou vai sofrer com algum dos mais de 150 tipos diferentes de dor de cabeça.

O mal, que afeta mais de 140 milhões de brasileiros, atinge pessoas de todas as idades, já é responsável pelas queixas de mais de 80% das crianças e adolescentes, que chegam às consultas relatando pelo menos um episódio de cefaleia antes mesmo de completar 15 anos de idade.

Dividida em dois tipos, a cefaleia nos pequenos exige maior critério de avaliação para um diagnóstico preciso e decisão clínica adequada.

“Há as cefaleias primárias, que são recorrentes e não são causadas por doenças subjacentes ou problemas estruturais, podemos citar alguns exemplos clássicos que são a enxaqueca e a cefaleia tipo tensão. Há as secundárias, que são provocadas por doenças demonstráveis em exames. Exemplos de cefaleias secundárias são as decorrentes de doenças febris agudas, infecções do sistema nervoso central e de tumores” esclarece a médica pediatra Ana Paula Beltran Moschione Castro.

A médica explica que a cefaleia infantil primária pode impactar diretamente a rotina das crianças quando se manifesta de forma recorrente.

Médica especialista em cefaleia diz que crianças têm dificuldades em descrever a dor com detalhes.

“As dores costumam ser frequentes, mas em muitos casos as crianças não conseguem expor a dimensão do problema, que, sem uma observação mais dedicada, acaba sendo associado a outras doenças. Por isso, com os menores a atenção deve ser redobrada. Um olhar mais atento dos pais e mães sobre o comportamento e a frequência das queixas ajuda a identificar o problema. É importante avaliar como estas dores mudam o cotidiano das crianças. Se ela deixar, por exemplo, de fazer alguma atividade que gosta muito, é hora de acender o alerta”, orienta.

Enxaqueca, um capítulo à parte

Entre as causas mais comuns da cefaleia, está a enxaqueca que atinge nada menos que 15% da população global, segundo levantamento da OMS. No Brasil, são mais de 30 milhões de pessoas afetadas pela doença, sendo 6% dos pacientes ocupando a ala pediátrica.

“A enxaqueca é uma das causas mais comuns de cefaleia primaria em pediatria e, assim como nos adultos, o diagnóstico é baseado em critérios clínicos. Porém, em crianças, detectar o problema requer mais cautela. A avaliação é desafiadora, pois a história pode ser fragmentada e os sintomas variam amplamente, de acordo com a faixa etária do paciente”, orienta a pediatra.

Além disso, destaca a especialista, algumas peculiaridades que ajudam no momento de detectar o problema e indicar o tratamento.

“É preciso observar a duração dos episódios de dor, levar em conta a localização da dor. Também alguns pacientes costumam apresentar dificuldades para descrever os sintomas como a foto e fonofobia e, especialmente, a própria intensidade da dor”, alerta.

Pediatras precisam ser cautelosos na hora de fazer o diagnóstico. Foto: (Divulgação/Freepik)

A médica pontua ainda que as escalas analógicas de sintomas podem ajudar na adequada avaliação da intensidade da dor. Há algumas síndromes específicas da infância, como a enxaqueca abdominal (dores abdominais e vômitos cíclicos) e a vertigem paroxística benigna da infância (crises vertiginosas em crianças pequenas), que podem, inclusive, ocorrer sem dor de cabeça associada.

Outras queixas comuns são vertigens, zumbidos, alterações do nível de consciência, e sintomas visuais, sendo quase sempre resolvidas em uma hora.

Nos casos em que o pediatra faz a suspeita do diagnóstico de enxaqueca, a criança pode ser avaliada por um neurologista, pois pode-se fazer necessário um seguimento mais especializado e possivelmente com medicação apropriada.

Para ajudar a reduzir os impactos da doença, na cefaleia primária, é preciso investir em metodologias eficazes de tratamento, assegurando o bem-estar e a qualidade de vida desde os primeiros anos de vida.

(Com informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorExportação do agronegócio sobe 20% no primeiro semestre
Próximo artigoInscrições para o Enem 2021 caem 30% em Mato Grosso