Casos de Aids recuam 47% e MT sai de série histórica de altas taxas

Ministério da Saúde diz que 390 pessoas contraíram a doença no ano passado; desde 2007 o número estava acima de 600 pacientes

Os casos de Aids caíram 47% em Mato Grosso no ano passado, interrompendo uma sequência de 12 anos de contágio em patamar considerado alto. O quadro de Indicadores de Dados Básicos HIV/Aids, do Ministério da Saúde, registra 390 novos casos entre janeiro e dezembro de 2019. 

Esse número é quase a metade do foi registrado no ano anterior e de todos os outros anos até 2008. Os números consolidados de 2019 foram divulgados nesta terça-feira (1º) pelo Ministério da Saúde, em evento sobre o Dia Mundial de Combate à Aids. 

Os homens foram a maior parcela doentes, sendo 277 casos dos 390; as mulheres completam outros 113 pacientes. Eles estão principalmente na faixa etária entre 15 a 24 anos e depois dos 55 anos. 

As transmissões ocorreram principalmente em relações hétero e homossexual diretas. Conforme o Ministério da Saúde, 61 pessoas diagnosticadas com a doença no ano passado se declararam heterossexual e outras 39, homossexuais. 

Também ocorreram transmissões em relações bissexual, troca de seringas entre usuários de drogas e transmissão vertical (quando a mãe passa para o filho ainda na gravidez). Noventa e duas mulheres gestantes contraíram a doença no mesmo período. 

É taxa é considerada alta, mas a doença está controlada. As infecções ocorrem por falta de cuidados dos indivíduos. A doença é comumente transmitida entre usuários de drogas, gays. As pessoas não entendem que, assim como na pandemia é preciso máscara, no sexo é preciso usar camisinha”, disse o médico infectologista Luciano Correa. 

O médico explica que não existe falta de informação sobre HIV/Aids à população. O indivíduo pode iniciar sua vida sexual com informações sobre os modos de transmissão e as consequências do desenvolvimento da doença.  

Contudo, Mato Grosso vem de um histórico em que a taxa de contágio se manteve se acima de 20 pessoas por 100 mil habitantes, entre 2007 e 2018. O pico ocorreu em 2014, ano em que a taxa ficou em 25/100.   

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDocumentos apontam que China teria escondido casos de covid no início da pandemia
Próximo artigoHackers invadem aula de Lewandowski e exibem vídeo da Carreta Furacão