Casal é detido ao aplicar testes rápidos de covid-19 e dizer que trabalhava para o Ibope

Às pessoas, os dois diziam ser médicos; à polícia, afirmaram que faziam uma pesquisa supostamente encomendada pelo Ibope

(Foto: Freepik)

A Polícia Militar deteve na tarde desta quinta-feira (14), em Rondonópolis (215 km de Cuiabá), um casal que estava aplicando testes rápidos para covid-19 em moradores de um bairro.

A denúncia foi feita via 190 e, segundo quem acionou a polícia, os dois se identificavam como médicos.

Com eles, a polícia encontrou e apreendeu 24 testes rápidos para covid-19, 20 toucas plásticas e aventais, saches de álcool em gel e outros materiais.

Para os policiais, o casal disse que trabalha para uma empresa que prestaria serviços ao Ibope. Segundo eles, a pesquisa que realizavam tinha ligação também com a Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul.

Eles chegaram a entregar à Polícia Militar um documento chamado “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido”, que também era entregue às pessoas que aceitaram fazer o teste rápido oferecido por eles.

Mas, na Secretaria de Saúde de Rondonópolis, ninguém sabia da atuação do casal. À polícia, um supervisor disse que não havia qualquer autorização para que a dupla fizesse os testes na população.

O casal apresentou à polícia, então, um ofício que teria sido encaminhado à Secretaria Estadual de Saúde. O documento supostamente teria informado o governo do Estado sobre a pesquisa, intitulada “Evolução da Prevalência de Infecção por Covid -19”, e até pedido apoio logístico para realizá-la.

Mesmo assim, a dupla foi conduzida até a delegacia para prestar esclarecimentos.

Segundo a PM, o equipamento de proteção individual deles não era adequado para o trabalho que faziam.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCovid em MT: Mauro Mendes entrega 210 novos leitos no Hospital Metropolitano
Próximo artigoEleições 2020: pré-candidatos já podem iniciar suas “vaquinhas” online

O LIVRE ADS