Carnaval: PM dispersa 2,1 mil pessoas e fecha 60 festas clandestinas em MT

Ação visou coibir eventos, que estavam proibidos, no Carnaval cancelado por conta da pandemia

(Foto: PMMT)

De sexta (12) a terça-feira (16), a Polícia Militar de Mato Grosso realizou 104 dispersões de aglomerações em eventos irregulares no Estado. Mais de 2,1 mil pessoas foram abordadas nas ações; 32 delas foram conduzidas à delegacia.

A ação foi deflagrada diante do cancelamento do Carnaval, por conta da pandemia da covid-19.

Mesmo sem as tradicionais festas carnavalescas, a PM não parou. Reforçou ainda mais o policiamento, com 631 policiais e 256 viaturas, para garantir a segurança da população e intensificar a fiscalização em prol do combate às festas e eventos clandestinos, em especial, os com grande aglomeração de pessoas.

Ao todo, foram 60 festas clandestinas fechadas em 34 municípios.

De acordo com relatório da Superintendência de Planejamento Operacional e Estatística da Polícia Militar (SPOE-PMMT), nesse período, 2.186 pessoas foram orientadas a deixar as festas, bares e outros eventos e irem para casa.

As 32 pessoas  presas cometeram outras irregularidades como porte de entorpecentes, armas de fogo, resistência, dentre outras ações fora da lei. 

Em 2020, desde que começaram as medidas restritivas de prevenção ao novo coronavírus, a PM fez 5.709 dispersões, acabou com aglomerações, festas e dentre outros eventos irregulares.

Ainda no mesmo período, a Polícia Militar fechou cerca de 400 estabelecimentos por desrespeitarem as medidas de prevenção essenciais para evitar a contaminação e notificou 2.153 comércios nos quais havia pessoas sem usar a máscara facial, proteção obrigatória.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesenvolve-MT quer incremento de R$ 30 milhões em crédito para empréstimos
Próximo artigoCoordenador de bancada de MT diz que prisão de deputado é “faca de dois gumes”