Cardozo defende que Fávaro assuma Senado até nova eleição

Ex-ministro da Justiça é o responsável pela defesa de Carlos Fávaro no processo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, agora responsável pela defesa de Carlos Fávaro (PSD) no processo que pode cassar a senadora Selma Arruda (PSL), defende que o ex-vice governador, que ficou em terceiro lugar na disputa ao Senado em 2018, assuma interinamente o cargo até a realização de nova eleição.

Cardozo foi ministro no governo Dilma Rousseff (PT) e defendeu a petista durante o processo de impeachment de 2016.

“O que nós vamos sustentar é que o terceiro colocado assuma [a vaga no Senado], provisoriamente. Não pode o Estado de Mato Grosso ficar sem senador. Todos os Estados da República têm três senadores e Mato Grosso fica sem [um representante]? E as votações?”, argumentou em entrevista, minutos antes do início do julgamento, que acabou adiado pela segunda vez, no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT).

Aos jornalistas, Cardozo disse acreditar na derrota da senadora do PSL. Segundo ele, há precedentes e o afastamento imediato de Selma pode ser determinado pelo TRE-MT. O advogado também disse achar difícil que Selma consiga um efeito suspensivo sobre a eventual decisão de perda do mandato.

Se o julgamento na Corte Regional, de fato, resultar na cassação da senadora, só uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendendo os efeitos da primeira até o julgamento dos recursos evitaria que ela perdesse o cargo imediatamente.

“Eu fico espantado”, ele disse. “Nunca vi um processo com tantas provas e robustas de abuso de poder econômico e caixa 2. É sempre uma questão polêmica, de fato, mas aqui é uma prova escancarada, ela grita nos autos. Então, eu acredito que, em condições normais, a decisão será favorável à perda do mandato”, completou.

O ex-ministro sustentou ainda que a defesa de Selma estariam tentando atrasar o julgamento porque saberia que o resultado será desfavorável. Evitar que o caso seja julgado, portanto, na avaliação de Cardozo, seria a estratégia da senadora para ficar mais tempo no cargo.

Ainda sobre a defesa de Selma, Cardozo rebateu o argumento de que os gastos que resultaram na denúncia de abuso de poder econômico e caixa 2 ocorreram durante a pré-campanha e, por isso, não precisariam ser informados à Justiça Eleitoral.

“Basta verificar o material produzido [com o dinheiro]. É material de campanha. Ninguém faz material de pré-campanha com o número [do candidato]. Aliás, a pré-campanha é mínima, o próprio TSE decidiu que o que pode ser gasto na pré-campanha é aquilo que não desequipara os candidatos dentro de um padrão médio. Aqui se gastou uma enormidade de recursos”, argumentou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPedido de suspeição de desembargador adia julgamento de Selma Arruda
Próximo artigoHomem registra BO ao acordar de bebedeira e não saber onde está

O LIVRE ADS