“Cápsula Vanessa” garante respiração sem entubação e protege profissionais da saúde

Equipamento de isolamento individual está sendo produzido em MT e pode auxiliar pacientes covid com falta de ar sem necessidade de sedação

Demonstração de como a cápsula vanessa protege pacientes com covid-19 sem intubação (Foto: ilustrativa/ Grupo Samel)

Uma equipe de médicos e profissionais da saúde de Manaus (AM) está em Mato Grosso, para ensinar o protocolo de utilização da cápsula Vanessa. O equipamento inovador é utilizado em pacientes com covid-19 que precisam de oxigenação para conseguir respirar.

O médico Luis Alberto Saldanha Nicolau, presidente do Grupo Samel – que desenvolveu a cápsula – explica ao LIVRE, que o EPI é mais eficiente e menos invasivo do que a intubação.

“A capsula Vanessa é menos invasiva pois não precisa de intubação. Em Nova York (EUA), mais de 80% dos pacientes covid que foram entubados não sobreviveram”, destaca.

Para que funcione de forma eficiente, a cápsula precisa de um aparelho bipape – que é utilizado no tratamento em pessoas que possuem disfunções respiratórias do sono, como apneia central do sono ou apneia obstrutiva do sono grave. Este aparelho custa em média R$ 6 mil.

Como é utilizada a cápsula?

Dr. Luis explica que a cápsula de VNI (ventilação não invasiva) tem uma vantagem porque auxilia o paciente com uma respiração pelo nariz – e não por tubos enfiados pela boca  – e protege os profissionais da saúde que estão acompanhando o paciente.

O protocolo de utilização da cápsula também utiliza medicamentos como: anticoagulantes, azitromicina e ivermectina.

Equipamento está sendo fabricado em MT pelo sistema Fiemt (Foto: Assessoria/ Senai)

“Outra característica do equipamento é que tem salvado vidas de pacientes com todos os tipos de comorbidades possível, como câncer, diabetes, obesos entre outros”. Com a respiração por ventilação não invasiva, o mais grave sintoma que pacientes covid sentem – a falta de ar – é combatido.

Distribuição em MT

Uma parceria entre o Governo do Estado, por meio de articulação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), em conjunto com a Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), já distribuiu 400 cápsulas no Estado.

A Samel também já doou 130 equipamentos para o Estado e mais 200 estão sendo produzidos pelo Senai.

O médico Luis explica que a utilização do aparelho bipap estava tendo muita resistência no começo, porque o ar que sai da máscara do equipamento é contaminado pelo coronavírus – no caso dos pacientes com covid.

Já a cápsula de isolamento individual reduz substancialmente este problema, porque ela possui um filtro que impede o ar contaminado expirado pelo paciente se espalhar pelo ambiente, e com isso, evita o aumento do contágio entre profissionais da saúde e demais pacientes da unidade de saúde que não estiverem com a doença.

Outra vantagem da cápsula, segundo explica Dr. Luis, é que o paciente fica o tempo todo consciente, e não precisa ser sedado para permanecer enquanto é tratado da covid.

ALMT engajada

O deputado Carlos Avalone (PSDB), que preside a comissão especial de monitoramento da pandemia na ALMT, disse que está acompanhando a produção das cápsulas em Mato Grosso, e destacou que vai verificar junto às unidades de saúde se todas estão em condições para utilizar o equipamento, principalmente, se possuem o aparelho bipape.

Deputado Carlos Avalone em visita ao Senai-VG, onde as cápsulas estão sendo produzidas (Foto: assessoria/ Senai)

O deputado Dr. João (MDB), que é médico e faz parte da comissão de saúde da ALMT, destacou durante sessão extraordinária desta quinta-feira (16), que alternativas para a intubação são importantes, porque, segundo ele, a cada 10 pacientes intubados, 8 não sobrevivem.

Por que Vanessa?

Dr. Luis explica que Vanessa é o nome da primeira paciente com covid-19 que precisou ser entubada. A partir das dificuldades sofridas pela paciente, a equipe de especialista do grupo resolveu desenvolver um equipamento que fosse menos invasivo – o que resultou na cápsula.

Para garantir que o EPI possa ser fabricado e distribuído para todo o país de forma célere, o Grupo Samel quebrou a patente, e disponibiliza ao público o projeto do equipamento para que seja fabricado ao custo médio de R$ 500;

A equipe de médicos e demais profissionais da saúde que acompanha o Dr. Luis também ministram o treinamento do protocolo de utilização da cápsula de forma gratuita.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOs Novos Mutantes ganha teaser com novas cenas
Próximo artigoCuiabá já ultrapassou 60 dias de quarentena; e o resultado?