Capacitação de produtores culturais tem foco em projetos da comunidade LGBTQIA+

Objetivo é preparar as pessoas para lidar com questões burocráticas e legais que dificultam o desenvolvimento de projetos

Para ampliar as chances de pessoas da comunidade LGBTQIA+ em concorrência de editais e execução de projetos nasce a iniciativa “Arte Diversidade”. Em um momento de intensa produção cultural, palestras com especialistas fornecem as ferramentas necessárias para capacitação e qualificação dos agentes culturais. Todo o conteúdo será disponibilizado, de forma gratuita e virtual, na primeira quinzena de abril.

Em cinco palestras, serão abordados aspectos jurídicos, econômicos, sociológicos e históricos, que visam contribuir para que produtores culturais, artistas, e representantes da comunidade tenham conhecimentos sobre os direitos da diversidade. Assim, será possível lidar com questões burocráticas e legais, que dificultam o desenvolvimento de projetos com a temática.

Idealizador da proposta, o advogado Nelson Freitas Neto explica que o objetivo é criar e estruturar políticas culturais para a diversidade, com intuito de fortalecer uma base da comunidade LGBQIA+. “Sabemos a realidade enfrentada de exclusão e segregação, que não é só por parte da sociedade, mas também pelo próprio estado, que é quem deveria acolher essas pessoas. A nossa cultura ainda é muito marginalizada e precisa ser fortalecida”, complementa.

Os assuntos abordados nas palestras englobam desde garantias individuais e da sociedade à captação e prestação de contas. Entre os palestrantes, consta a advogada Kamila Michiko, pesquisadora de gênero e sexualidade, que tratará sobre o conceito de sociedade, democracia, cidadania, direitos e garantias individuais.

Kamila Michiko avalia que essa ação é necessária em todos os contextos históricos e políticos: “Especialmente agora, quando assistimos ao recrudescimento de políticas públicas, de revisionismo histórico, e de rivalização, quase como um atentado à democracia. Vivemos em um estado de intolerância e isso casa com o tema do meu vídeo, onde busquei trazer um apanhado histórico sobre a formação democrática, o papel do estado e do cidadão”, afirma.

Além de mostrar a evolução jurídica do direito da diversidade, Nelson Freitas adianta que as aulas também dão conta da economia, ao abordar o “pink money”, termo utilizado para se referir ao dinheiro investido pela comunidade LGBTQIA+.

O advogado cita a Parada Gay de São Paulo, o segundo maior evento da cidade e que movimentou R$403 milhões na última edição, em 2019. “A Parada Gay é uma das maiores fontes de renda para a cidade de São Paulo, injeta dinheiro na economia e incentiva o turismo. Cada vez mais a comunidade LGBTIA+ tem mostrado a sua força. A ideia é conseguirmos preparar os produtores culturais para que levem a cultura da diversidade para a sociedade”, aponta.

As palestras serão abrigadas em um site, onde também estará disponível um manual online, com textos e gráficos.

A programação completa será divulgada em breve.

Sobre o projeto

 “Arte Diversidade” é realizado com recursos do edital da Lei Aldir Blanc – viabilizado pelo Governo de Mato Grosso via Secretaria de Esportes, Cultura e Lazer, em parceria com o Governo Federal, via Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

Serviço

Arte Diversidade

  • O quê: Cursos de capacitação e qualificação para produtores culturais
  • Quando: Início de abril
  • Onde: Plataforma virtual

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAglomeração para vacinação
Próximo artigoHistória do Saneamento Cuiabano marca ação do Dia da Água