Candidatos a prefeito de Cuiabá registram prejuízo nas campanhas

Emanuel Pinheiro toca campanha com déficit de R$ 3,2 milhões; França e Abílio também amargam prejuízos

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Os três principais candidatos a prefeito de Cuiabá – Emanuel Pinheiro (MDB), Abílio Júnior (Podemos) e Roberto França (DEM) – registram déficits (saldos negativos) financeiros na campanha eleitoral. Ou seja, os gastos já superam as receitas.

Prefeito de Cuiabá e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB) arrecadou R$ 731 mil enquanto as despesas somam R$ 3,943 milhões. Um déficit de R$ 3,212 milhões.

O vereador Abílio Júnior recebeu apenas doações de pessoas físicas para tocar sua candidatura a prefeito de Cuiabá. O total arrecadado é de R$ 177 mil, enquanto as despesas registradas são de R$ 216 mil. Saldo negativo de R$ 39 mil.

O candidato Roberto França (Patriota) registra uma arrecadação de R$ 234 mil, enquanto as despesas chegam a R$ 901 mil. Registrado assim um saldo negativo na ordem de R$ 667 mil.

Estreante na disputa eleitoral, o empresário Aécio Rodrigues (PSL) arrecadou R$ 45 mil e gastou R$ 114 mil: déficit de R$ 69 mil.

Contas equilibradas

Líder em arrecadação com R$ 1,273 milhão, a candidata Gisela Simona (PROS) registra equilíbrio das receitas com as despesas. Até o momento, gastou R$ 818 mil.

Outro que registra equilíbrio financeiro até o momento é o petista Julier Sebastião da Silva. São R$ 357 mil arrecadados e R$ 154 mil de despesas.

O candidato do partido NOVO, empresário Paulo Henrique Grando, arrecadou R$ 59 mil e registra despesas de R$ 25 mil.

Candidato pelo PSOL, Gilberto Lopes Filho declarou uma arrecadação de R$ 55 mil e despesas de R$ 4 mil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem título de posse: pequenos agricultores produzem 70% do alimento em MT
Próximo artigo“Privatização do SUS seria uma insanidade”, diz Paulo Guedes