Camila Telles dá uma aula sobre o agronegócio para Fábio Porchat e Bela Gil

Comentaristas da GNT tentaram detonar o setor produtivo brasileiro, mas acabaram passando vergonha

Em vídeo que circula pelas redes sociais os comentaristas e apresentadores do Canal GNT, Fábio Porchat, Emicida, João Vicente, Francisco Bosco e Bela Gil comentam sobre o agronegócio de maneira equivocada, sem embasamento técnico e, acreditem, utilizam até mesmo palavras que não existem, como “aquíferes”.

Não bastasse a vergonha nacional, em razão da falta de informação, estes “comunicadores” receberam uma aula sobre o setor que corresponde a 50% do PIB mato-grossense e aproximadamente 25% do PIB brasileiro.

A jovem Camila Telles, assessora de Comunicação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), preparou um vídeo bastante didático onde elenca as informações desencontradas citadas pelos apresentadores. Ela rebate ponto a ponto com base em estudos da Esalq, CNA e Embrapa.

Ao lado de Bela Gil, – que comumente criminaliza a prática agrícola em larga escala, e defende a tese de que o “agro mata” -, Porchat começou o programa associando a produção agropecuária com alimentos que destroem a saúde, maus-tratos aos animais e “agrotóxicos”.

Não bastasse, ele afirmou ainda que “o peido do boi prejudica, de verdade, a camada de ozônio”. Afirmação foi rebatida pela jovem. Telles explicou que a emissão de metano não entra nessa discussão e explica que a maioria das atividades pecuárias são extensivas, ou seja, a pastagem. Por isso, o gás é absorvido, causando um equilíbrio. “Isso é comprovado, inclusive com dados da Embrapa”, disse.

A jovem também explicou que a ausência de vida na saída das águas dos rio para o mar, que o apresentador associou ao esterco, não é verdade.  “O esterco é mineralizado, fixado no solo, e dali ele não sai”. Ela rebate que o que polui os rios são as cidades. “O grande responsável por esse depósito de matéria orgânica na natureza não é o produtor rural, é a cidade. Tem dados que comprovam isso, 55% do esgoto coletado nas cidades é jogado na natureza”.

Por fim, fez um convite bastante amigável para que os mesmos coloquem o “pé no barro” e conheçam como é uma propriedade rural, que produz com responsabilidade socioambiental. Resta saber se a turma da GNT irá aceitar!

5 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Camila!!!! É assim que se faz um debate com dados verídicos, experiência e conhecimento. Esse bate papo deles parece mais conversa entre amigos “loucos” cada um vendo um “elefante que voa”, um não sabe o que diz e o outro não sabe o que escuta…kkkkk
    Debate totalmente desnecessário e prejudica a imagem de um setor que tem muita responsabilidade, comprometimento, dedicação e amor pelo que fazem por este Pais. Grade abs e mais uma vez parabéns pela iniciativa em destaque.

  2. O Sr. Porchat é especialista em palhaçadas cinematográficas. Essa conversa é mais uma delas. Só rindo mesmo de tanta ignorância. Quanto a Bela Gil está devia pensar nos ingredientes que usa na cozinha e experimentar não usar carne de boi, óleo de soja, leite, manteiga, queijo, etc..

  3. Não, minha querida! Mudar esse sistema significa – retirar as terras que estão nas mãos dos grandes agricultores e distribuir aos amiguinhos do MST e tornar tudo produtinhos orgânicos. Bom, é claro que eles dormem e sonham esse sonho lindo e romântico. Podem testar esse SISTEMA em Cuba ou Venezuela ou China é só depois disso podemos bater um papinho com esses 5 zé-ruelas !!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorShow na Casa Cuiabana: com Belchior, Lu Bonfim quer “amar e mudar as coisas”
Próximo artigoTom Holland fala sobre futuro do Homem-Aranha na Sony