Câmara de Cuiabá: novo presidente quer mais maturidade e menos horrores

Misael Galvão presidiu sessão de abertura do biênio e quer mudar imagem da Casa

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

As inúmeras discussões e trocas de farpas patrocinadas pelos vereadores de Cuiabá durante as sessões ordinárias, que contribuíram para que a Câmara dos Vereadores recebesse o título de “Casa dos Horrores“, deverão acabar, segundo o novo presidente do parlamento, Misael Galvão.

Em seu discurso na sessão de abertura dos trabalhos da nova gestão, que atua no biênio 2019/2020, Misael afirmou que deverá enfrentar muitos desafios, entre eles as divergências entre os membros do parlamento. Por isso, ele cobra maturidade dos vereadores.

“Divergências, senhoras e senhores, são normais e salutares, mas é preciso que haja o respeito. Apenas demonstrando maturidade é que daremos nossa contribuição para o restabelecimento da confiança do nosso patrão nas instituições, especialmente na Câmara Municipal de Cuiabá”, discursou.

No ano passado, o LIVRE noticiou alguns – apenas alguns – dos barracos protagonizados pelos parlamentares, sendo que, em alguns casos, a situação chegou ao ponto de se ter que acionar a Polícia Militar.

Misael lembrou que cada vereador age com uma postura, mas garantiu que vai conversar com todos e fazer valer o Regimento Interno da casa, dando a entender que deverá adotar punições contra aqueles que tumultuarem as sessões.

Leia alguns dos barracos abaixo:

Mais um dia normal na Câmara de Cuiabá

Vereadores se estranham, PM é chamada e votação sobre Uber é suspensa

Vereadores trocam acusações e bate boca chega a suspender sessão da Câmara de Cuiabá

Casa dos Horrores em polvorosa

Vereador Wellaton denuncia Renivaldo por quebra de decoro
 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLei propõe endurecer cumprimento de pena para crimes graves
Próximo artigoSecretário diz que Governo do Estado tem “ilhas de super salários”