Câmara de Cuiabá fixa regras para quem vai hospedar crianças em hotéis

Objetivo é combater os crimes ligados à defesa dos direitos da criança e do adolescente, como o sequestro e a pedofilia

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Pelo voto da maioria dos vereadores, a Câmara de Cuiabá aprovou o projeto de autoria do vereador Marcelo Bussiki (PSB), que obriga hotéis, pensões, pousadas e albergues na Capital a manterem uma ficha de registro com informações sobre as crianças e adolescentes que se hospedarem em suas dependências.

Além disso, o projeto prevê a proibição da hospedagem de crianças e adolescentes nesses locais sem a devida autorização dos responsáveis, ou de autoridade judicial. O projeto foi aprovado durante sessão plenária na terça-feira (11).

A iniciativa, de acordo com Bussiki, busca regulamentar a permanência dos menores nesses locais e combater os crimes ligados à defesa dos direitos da criança e do adolescente, como o sequestro de menores e a pedofilia.

“Com este projeto tentamos impedir que estes estabelecimentos sirvam como intermediários de possíveis crimes. A união de forças entre os proprietários e administradores desses estabelecimentos pode contribuir para a redução e defesa de possíveis vítimas”, disse Bussiki.

De acordo com o projeto, a ficha de registro deve conter nome completo da criança ou adolescente e dos responsáveis, a naturalidade do menor, a data de nascimento, bem como seu endereço e telefone. Além disso, o registro deve ter cópia do documento oficial da criança e adolescentes, seja certidão de nascimento ou RG, e as datas de entrada e saída do estabelecimento.

Ainda segundo o projeto, a direção do estabelecimento hoteleiro deverá informar imediatamente aos Conselhos Tutelares e às autoridades policiais em caso de recusa ou desistência de se fazer o registro, ou qualquer outra irregularidade ou suspeita relacionada à prestação das informações exigidas.

“Toda e qualquer suspeita que os estabelecimentos tenham quanto às pessoas que não queiram fazer o registro de permanência das crianças e adolescentes deve ser informada à autoridade, pois fazer o registro não vai prejudicar os responsáveis e garante maior segurança à crianças”, encerrou.

Em caso do descumprimento de qualquer item do projeto, o estabelecimento poderá ser fechado por até 15 anos e, em caso de reincidência em um prazo de 30 dias, o estabelecimento será definitivamente fechado e terá sua licença cassada.

Com a aprovação, o projeto segue para a sanção do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), para posteriormente ser colocado em prática.

*Com Assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTemer diz que Forças Armadas ajudaram o governo a evitar crises
Próximo artigoTour virtual mostra exposições do Museu Nacional antes do incêndio

O LIVRE ADS