Cade aprova com restrições a aquisição da Monsanto pela Bayer

Acordo proposto pelas Requerentes prevê venda de ativos da Bayer nos negócios de sementes de soja e de algodão

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira (07/02) a compra da Monsanto pela Bayer, com restrições. A operação foi condicionada ao cumprimento de um acordo negociado com as empresas que prevê a venda de todos os ativos da Bayer em sementes de soja e algodão e herbicidas não-seletivos.

O acordo com o Cade prevê ainda a adoção de medidas comportamentais para garantir a concorrência no mercado, como a proibição de contratos de exclusividade, adoção de regras de transparência para política comercial da empresa e proibição de venda casada. “Os remédios são substanciais e endereçam de modo direto e satisfatório as preocupações apontadas pelo Cade”, afirmou o relator do processo, Paulo Burnier. “O Cade irá monitorar o mercado de perto nos próximos anos.”

A alemã Bayer anunciou em setembro do ano passado a compra da norte-americana Monsanto em um negócio de US$ 66 bilhões. O acordo, que vem sendo analisado por autoridades da concorrência em todo o mundo, cria uma empresa com mais de 1/4 do mercado mundial de sementes e pesticidas. Em outubro, já em busca de uma solução para a grande concentração gerada pelo negócio no mundo inteiro, a Bayer anunciou que venderá para a Basf seu negócio de sementes e herbicidas por R$ 7 bilhões.

No julgamento desta quarta-feira, os conselheiros Maurício Maia, Polyanna Vilanova e o presidente do Cade, Alexandre Barreto, acompanharam o relator. Já a conselheira Cristiane Alkmin criticou o acordo e apresentou um voto em separado que incluía a venda de outros ativos como fungicidas e empresas de germoplasmas. Ela alegou que os termos propostos pelo relator não são suficientes para garantir a concorrência no Brasil. “Haveria uma indubitável perda para os produtores de soja e algodão, para os consumidores finais e para a balança comercial do País”, completou. O conselheiro João Paulo Resende votou pela reprovação.

A fusão Bayer/Monsanto foi notificada a agências reguladoras de 29 países e já foi aprovada por pelo menos 14. O Cade trocou informações com várias dessas autoridades, em países como Rússia, Chile, EUA e a União Europeia.

Em outubro, a superintendência-geral do Cade havia concluído que a operação gera concentração significativa em mercados de semente para soja e algodão, levando em consideração os impactos antes do acordo hoje aprovado. “Com aquisição da Monsanto, a Bayer se tornará dominante em elos fundamentais da cadeia das principais culturas, fortalecendo, de forma preocupante, a posição da empresa junto aos canais de distribuição, afirmou o parecer.

*Com o Estado de S. Paulo

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCade aprova com restrições a aquisição da Monsanto pela Bayer
Próximo artigoDoria propõe unificar prévias estaduais e nacional do PSDB

O LIVRE ADS