Cada Caravana da Transformação custa em média R$ 2,8 milhões

GCOM/José Medeiros

Pedro Taques na Caravana da Transformação Jaciara

Caravana de Jaciara

As primeiras cinco edições da Caravana da Transformação custaram mais de R$ 14,3 milhões aos cofres do governo de Mato Grosso. Tratam-se das edições realizadas em Barra do Bugres, Peixoto de Azevedo, Canarana, Jaciara e São José dos Quatro Marcos. Desse modo, as primeiras edições custaram, em média, R$ 2,8 milhões cada.

Mais de dois terços desse valor, R$ 10,5 milhões, foram gastos com as cirurgias, consultas e exames oftalmológicos. Com a estrutura do evento, o governo gastou R$ 2,6 milhões com cinco caravanas. O custo inclui tendas, gradis, tablados, geradores, palco, som, ventiladores, contêineres, banheiros químicos, alimentação, água e equipamentos diversos, inclusive de informática. As diárias dos servidores custaram R$ 1,1 milhão.

Os dados foram fornecidos pela Casa Civil à deputada estadual Janaina Riva (PMDB), que requereu as informações. A parlamentar informou que há, ainda, os custos de deslocamento e diárias do governador e sua equipe, que são pagos pelo gabinete e, portanto, não entram na conta oficial das despesas da caravana. “Todas as despesas do governador, incluindo o avião, não foram contabilizados”, destacou.

Depois dessas, ainda foram realizadas mais cinco edições do evento: em Porto Alegre do Norte, Alta Floresta, Barra do Garças, Juína e Tangará da Serra. A 11ª caravana será em Rondonópolis, em dezembro. Janaina Riva observou que as últimas edições foram maiores que as primeiras, de modo que os custos provavelmente foram mais elevados.

Ednilson Aguiar/O Livre

Caravana da transformação

Os procedimentos de oftalmologia são o carro-chefe da caravana

A Caravana da Transformação teve início em julho de 2016 e hoje é o principal evento do governo Pedro Taques (PSDB), levando um pacote de serviços de saúde e cidadania a algumas cidades do interior. O carro-chefe são as cirurgias oftalmológicas, que também representam o custo mais alto do programa. Há ainda serviços diversos oferecidos por órgãos e entidades parceiras.

Os relatórios obtidos pela reportagem mostram que a caravana aumentou a cada edição – com exceção da quinta caravana, em Quatro Marcos, que foi um pouco menor que a de Jaciara. Há um aumento gradativo do número de servidores envolvidos, de procedimentos realizados na área de oftalmologia e de custos.

Confira os dados das caravanas analisadas:

1 – Barra do Bugres

Realizada de 12 a 21 de julho de 2016, a primeira edição da Caravana da Transformação teve 1.873 cirurgias oftalmológicas, e um total de mais de 27 mil procedimentos. Os pacientes das consultas e cirurgias realizam diversos exames, de modo que o número total de procedimentos acaba sendo várias vezes maior que o de cirurgias.

O custo total da primeira edição foi de R$ 2 milhões, dos quais R$ 1,4 milhão foram com os procedimentos oftalmológicos. Outros R$ 441 mil foram gastos na estrutura e R$ 161 mil com diárias de 187 servidores.

2 – Peixoto de Azevedo

A segunda edição foi entre 6 e 19 de setembro de 2016. Foram realizadas 2.829 cirurgias, sendo 2.323 de catarata, 383 de pterígio e 133 de yag laser, totalizando mais de 38 mil procedimentos oftalmológicos.

O custo total foi de R$ 2,8 milhões. Foram R$ 2,1 milhões com o pacote de cirurgias, consultas e exames oftalmológicos, R$ 513 mil com a estrutura do evento e R$ 209 mil com diárias de 222 servidores.

3 – Canarana

Entre 8 e 17 de novembro de 2016, foi realizada a terceira edição. Foram 2.618 cirurgias, sendo 2.104 de catarata, 291 de pterígio e 223 de yag laser, totalizando mais de 33 mil procedimentos oftalmológicos.

O custo total foi de R$ 2,7 milhões. As cirurgias oftalmológicas custaram R$ 1,9 milhão. A estrutura custou R$ 619 mil. Com diárias de 253 servidores foram gastos R$ 234 mil.

4 – Jaciara

A quarta caravana foi entre 24 de janeiro a 3 de fevereiro de 2017. Nessa edição, foram 3.918 cirurgias oftalmológicas e mais de 44 mil procedimentos.

O custo em Jaciara foi de R$ 3,4 milhões, dos quais R$ 2,6 milhões foram gastos com a área de oftalmologia, R$ 513 mil com a estrutura e R$ 232 mil com diárias de 306 servidores.

5 – São José dos Quatro Marcos

A quinta edição foi realizada entre 7 e 17 de março de 2017. Foram feitas 3.817 cirurgias oftalmológicas, sendo 2.707 de catarata, 842 de pterígio e 268 de yag laser.

O custo total dessa caravana foi de R$ 3,1 milhões. A maior parte foi investida na oftalmologia: foram R$ 2,3 milhões para o pacote de cirurgias, exames e consultas, num total de mais de 38 mil procedimentos. Com estrutura foram gastos R$ 552 mil. As diárias para 404 servidores custaram R$ 300 mil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorZara pode entrar na “lista suja” de trabalho escravo
Próximo artigoEm Itu, Temer diz que Brasil “tem tendência a caminhar para o autoritarismo”