Cabo aposentado realiza sonho aos 98 anos: usar mais uma vez a farda da PM

Ele recebeu a medalha "Mérito Sangue de Mato Grosso", concedida a policiais feridos no cumprimento da missão de segurança

O coronel Assis fez questão de parabenizar o cabo Alvarenga e o agradecer pelos serviços prestados (Foto: Soldado Luiz/PMMT)

Aposentado ainda jovem, aos 30 anos, ao ser baleado em confronto, o cabo Benedito Cassiano Alvarenga tinha um sonho: voltar a vestir a farda da Polícia Militar de Mato Grosso.

Em seu aniversário de 98 anos, ele realizou não só o sonho, mas também foi homenageado pelo comandante da PM de Mato Grosso, coronel Jonildo José de Assis, com a entrega de uma medalha concedida a policiais feridos no cumprimento da missão.

(Foto: Soldado Luiz/PMMT)

História

Benedito nasceu em Coxim em 1923; à época o estado de Mato Grosso ainda não havia sido dividido. Em 1944, aos 21 anos, ele se alistou voluntariamente no Exército Brasileiro, para lutar na Segunda Guerra Mundial.

Foi somente em 1950 que foi convidado a ingressar na Polícia Militar de Mato Grosso. Ele havia ido a Cuiabá somente para votar, quando recebeu o convite e aceitou, tornando-se soldado da PM.

Um ano depois foi promovido a cabo e enviado para servir em Bela Vista, hoje cidade do Mato Grosso do Sul. Lá, o cabo Alvarenga serviu na fronteira com o Paraguai.

Foram quase três anos de serviço árduo, até que em 1953 ele se envolveu em uma ocorrência policial que deixou um delegado da Polícia Civil e um policial militar mortos, além de o cabo Alvarenga ferido.

Na ocorrência, o cabo agiu com bravura. Vendo seus dois colegas esfaqueados, mesmo baleado no peito e no braço, reagiu, conseguiu criar uma oportunidade e, ainda que o tiro tenha quebrado seu braço, conseguiu retirar os colegas da zona de conflito e levou os dois e a si mesmo para receber atendimento médico.

Ele passou quatro meses internado em um Hospital de Campo Grande e os dois colegas faleceram no hospital. Devido às sequelas causadas pelos ferimentos, Alvarenga precisou ser aposentado precocemente.

Alvarenga inspirou dois netos a também seguirem carreira militar (Foto: Soldado Luiz/PMMT)

Homenagem

Mesmo aposentado, Alvarenga jamais perdeu o amor pela PM e por servir a sociedade. Por isso, tinha um grande sonho: voltar a vestir a vestir a farda que tanto se orgulhara de usar quando mais novo.

Ao saber da história, o comandante da PMMT, coronel Jonildo José de Assis, resolveu não só permitir que o cabo aposentado vestisse a farda, mas o presenteou com a roupa e resolveu fazer-lhe uma homenagem.

Alvarenga recebeu no último sábado (7), na cidade de Rio Verde, no Mato Grosso do Sul,a medalha “Tenente Neteslau – Mérito Sangue de Mato Grosso”, concedida a militares feridos em combate.

“Quando entramos na Polícia Militar, o senso de responsabilidade se transforma em uma essência de vida. A história do cabo Benedito Alvarenga representa o risco que cada policial militar enfrenta durante toda sua carreira, protegendo a sociedade”, afirmou o coronel Assis.

A entrega da medalha foi realizada no dia do aniversário do cabo aposentado, que foi aplaudido por uma comitiva de oficiais e praças de Mato Grosso como um herói da Polícia Militar.

“Aos 98 anos de idade, segue firme, ainda seguindo os preceitos da hierarquia, da disciplina e todos os princípios e valores que regem a vida de um policial militar. Estamos fazendo justiça a um herói da nossa instituição”, disse o comandante da PM em um vídeo emocionante (veja abaixo).

Exemplo de militar, Alvarenga – que foi casado por 44 anos, teve oito filhos e tem 12 netos e 20 bisnetos – conseguiu inspirar ao menos dois netos – Elizane, que se tornou cabo da PMMS, e Aldo, cabo do Corpo de Bombeiros, também de Mato Grosso do Sul. Toda a família acompanhou a homenagem ao cabo Benedito Alvarenga, inclusive os dois netos fardados.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS