Busca por procedimentos estéticos corporais pouco invasivos aumenta 300%

Cirurgião plástico explica as diferentes intervenções e quais as vantagens

Foto: Cottonbro no Pexels

Os procedimentos estéticos pouco invasivos têm despertado a atenção das pessoas que desejam mudanças no corpo por meio de técnicas que não causam muitos traumas no corpo. Prova disso é o estudo divulgado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) que mostra que a procura por eles cresceu mais de 300% nos últimos anos.

Cirurgião plástico e membro da SBCP, Victor Cutait percebeu o aumento da procura em seu consultório e analisa as vantagens. “Tais técnicas oferecem menor risco de complicação durante e pós-cirurgia, o que garante maior segurança. É uma grande vantagem”, avalia o profissional.

Lipoaspiração fracionada

O procedimento é uma lipoaspiração, porém realizada com anestesia local e em uma região corporal por vez, divididas por etapas.

O primeiro benefício é que, como o paciente está acordado durante a cirurgia, é possível movimentá-lo e ter uma melhor visualização da gordura, obtendo melhores resultados.

Outra grande vantagem é a possibilidade de retirar toda a gordura localizada. Em cada seção retira-se até 5% do peso, respeitando a normativa do Conselho Federal de Medicina.

Além disso, a operação minimamente invasiva não oferece risco de perfuração e tampouco embolia pulmonar, o que garante mais segurança ao paciente.

Por fim, como a intervenção é mínima e espaçada entre semanas, o paciente não precisa parar as atividades cotidianas, como trabalhar.

Microlifting

Já o microlifting é uma série de procedimentos minimamente invasivos na face, nos quais incluem tratar os excessos de pele, rugas, gordura e flacidez. Tal técnica é indicada para pacientes que não possuem recomendação para realizarem o lifting completo da região.

A vantagem é proporcionar o rosto revitalizado sem grandes intervenções e uma recuperação mais rápida e mais simples.

Mini dermolipectomia braço, coxa e abdômen

A retirada de excesso de pele nos braços, coxa e na região do abdômen abaixo do umbigo, chamado dermolipectomia, também pode ser realizada de modo pouco invasivo.

“O procedimento elimina o excesso de pele – muito comum após grande perda de peso- e proporciona um contorno mais natural e menos flácido da região”, explica o profissional.

Cuidados necessários

Após decidir realizar uma cirurgia estética, mesmo que minimamente invasiva, é necessário se atentar às informações como o local, profissional escolhido e até o valor do investimento.

Cutait explica que o primeiro passo é escolher um profissional qualificado para executar procedimentos cirúrgicos estéticos. Tal profissional deve ser cadastrado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Após a escolha, a relação médico/paciente deve ser a melhor possível já na primeira consulta.

Outro ponto essencial é o local. Procedimentos menos invasivos podem ser realizados em clínicas especializadas ou ambulatoriais. No entanto, o local deve ter alvará para realizar este tipo de procedimento.

Além disso, duvide de preços muito abaixo do valor de mercado. Caso o investimento do procedimento seja muito abaixo comparado com outras clínicas, deve-se desconfiar da qualidade do serviço prestado.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAprovado em 1ª votação
Próximo artigoAvião precisa ser evacuado às pressas antes de decolagem e causa pânico no Marechal Rondon