Brigas e impugnações fazem Emanuel Pinheiro desistir de integrar chapa na AMM

Prefeito de Araguainha, Silvio Morais, disputa com Neurilan Fraga, que é candidato à reeleição

(Foto: Divulgação/AMM)

A disputa acirrada pelo comando da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), que resultou em ações de impugnação das duas candidaturas, fizeram o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), desistir de integrar a chapa de oposição, na tarde desta segunda-feira (26).

O prefeito de Araguainha, Silvio José de Morais Filho (PSD), concorre com o atual presidente, o ex-prefeito de Nortelândia Neurilan Fraga (PSD), que tenta o terceiro mandato. A eleição será em 7 de dezembro e terá os prefeitos de 126 municípios afiliados como eleitores.

“Por conta das brigas e pressão política federal, Emanuel Pinheiro pediu para sair da chapa”, contou Silvio ao LIVRE. Ele minimizou o impacto da perda e garantiu que continua tendo o apoio de Emanuel. “A chapa não perde a força, porque ele apoia a renovação. Ele só não quer participar do embate eleitoral”, completou.

Emanuel era o 3º vice-presidente da chapa liderada pelo prefeito de Araguainha, menor município do Estado. As chapas foram registradas na semana passada e publicadas no Jornal Oficial dos Municípios. Silvio informou que substituiu o prefeito da capital na chapa pelo gestor de Nova Ubiratã, Valdenir Santos (PSDB).

O prefeito de Cuiabá confirmou ao LIVRE a saída da chapa, mas negou ter sofrido qualquer pressão. “[As brigas] pesaram na decisão de recuar, pois quero unidade na instituição, e não desavenças internas. Acho importante o fortalecimento e a unidade da AMM. Gosto dos dois candidatos a presidente. Então, pela democracia e pela unidade, decidi recuar”, declarou Emanuel.

Chapas e impugnações

O candidato da oposição Silvio Morais tem como vice-presidente o atual prefeito de Nortelândia, Jossimar José Fernandes (PSD). Também compõem a chapa nomes como o da prefeita de Chapada dos Guimarães Thelma de Oliveira (PSDB), e do prefeito de Barra do Garças Roberto Farias (MDB), como membros do conselho fiscal.

O atual presidente, Neurilan Fraga, tem como vice Arnóbio Vieira de Andrade (PSD), prefeito de Marcelândia. Também estão na chapa nomes como o do prefeito de Cáceres, Francis Maris (PSDB), como 1º secretário, e de Tangará da Serra, Fábio Junqueira (MDB), como 5º vice-presidente.

Silvio informou que questionou a chapa de Neurilan pelo fato de ele não ser mais prefeito. “Ele não é prefeito e não pode conduzir a AMM por três mandatos consecutivos”, criticou. Uma mudança feita em 2016 no estatuto da associação permitiu que ex-prefeitos pudessem concorrer à presidência. “Eu preferia que houvesse unidade. Se metade dos prefeitos não me quisessem, eu nem tentaria concorrer à reeleição”, alfinetou.

Neurilan, por sua vez, impugnou a chapa de Silvio por causa da participação do prefeito eleito de Planalto da Serra na eleição suplementar de 28 de outubro, Dênio Ribeiro (PSD), que ainda não tomou posse. Ele era o 1º tesoureiro da chapa. Silvio informou que substituiu o colega pelo prefeito de Acorizal, Clodoaldo Monteiro da Silva (PSDB).

A reportagem do LIVRE tentou contato com Neurilan Fraga e com o jurídico da AMM, mas ainda não houve retorno.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça rejeita ações contra demarcação de terras indígenas em MS
Próximo artigoCédulas de real: proposta de substituir animais por nomes históricos é enviada à Casa Civil