Brasileiros estão menos preocupados com a pandemia, aponta pesquisa

58% disseram não ter contraído covid-19, mas nunca fizeram o exame. E outros 41% não utilizaram nenhum serviço de saúde nos últimos três meses

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O nível de preocupação dos brasileiros com a pandemia caiu. Entre junho e julho deste ano, 35% afirmam estar muito preocupados com a doença. Em março, eram 52%. Além disso, 14% acreditam não correr risco algum de contrair a covid-19.

No entanto, 86% afirmam que conhecem alguém que morreu pela doença.

Os dados são da Pesquisa Saúde Brasil, realizada pela Universidade de Brasília em parceria com o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD).

Para o coordenador do Centro de Pesquisa em Comunicação, Política e Saúde Pública da UnB, Wladimir Gramacho, a queda no nível de preocupação pode ter ocorrido pela sensação de que a pandemia está mais controlada, principalmente, dado o avanço da vacinação.

“Mas não podemos diminuir os cuidados. A variante delta está circulando e mostrando seu potencial de contaminação, o que tem feito vários países retomarem medidas de restrições”, alerta o pesquisador.

Vacinação e máscara

Os pesquisadores apresentaram frases aos entrevistados e pediram que dessem uma nota de 0 a 10. As afimações com maior pontuação foram que as reforçavam a necessidade de que todos tomem a vacina contra a covid-19 e continuem usando máscaras.

Já as afirmaçõem com as menores pontuações foram as sobre “tratamentos alternativos” contra a doença e a de que “a covid-19 não é tão grave quanto a mídia diz”.

Testes

Os pesquisadores ainda perguntaram aos entrevistados se eles já haviam contraído a covid-19 e se realizaram testes para confirmar o diagnóstico.

Entre junho e julho, 58% disseram não ter contraído a doença, mas nunca realizaram o exame. Outros, 20% disseram não ter ficado doentes, tendo feito o teste para confirmar.

LEIA TAMBÉM

A maior dos que adoeçam, 18%, se trataram em casa. Outros 3% tiveram a doença sem sintomas e 1% precisou ser hospitalizado.

“Esses números só comprovam que o Brasil realmente testou pouco durante toda a pandemia. Isso preocupa bastante, já que a realização de exames é uma das melhores estratégias para conter a transmissão, além é claro, da vacinação em massa”, ressalta Wladimir Gramacho.

Saúde do brasileiro

A pesquisa também quis saber como anda a saúde dos brasileiros. Dos entrevistados, 41%  não utilizaram nenhum serviço de saúde nos últimos três meses.

Dos que procuraram um médico, 42% foram a um clínico geral, 29% foram ao dentista, 12% ao ginecologista e 10% ao cardiologista.

Ao avaliar a própria saúde, 62% acreditam estar ótima ou boa, 29% regular, e 9% ruim ou péssima. Além disso, 14% dos entrevistados disseram acreditar que sua saúde está melhor nos últimos três meses, 71% acharam estar igual, e 14% pior.

A Pesquisa Saúde Brasil foi realizada com 1.009 pessoas de todos os Estados brasileiros, entre os dias 30 de junho e 13 de julho, em uma amostra representativa da população. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistra do STF afirma que brasileiros confiam nas urnas eletrônicas
Próximo artigoVocê compartilha imagens de violência na internet? Especialistas citam trauma e até crime