Brasileiro passa a temer mais a guerra do que a pandemia

Mais da metade da população teme que o conflito do Leste Europeu se intensifique

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O prolongamento da guerra na Ucrânia está ocupando o lugar da pandemia como grande temor do brasileiro. A conclusão é de uma pesquisa divulgada na semana passada pelo  Ipespe.

Segundo o levantamento, o medo da ampliação do conflito atinge 65% da população, enquanto os que ainda estão “com muito medo” do coronavírus somam agora 15%, bem abaixo dos 23% da última medição.

Em relação à pesquisa anterior do Ipespe, o índice dos que não têm medo da covid-19  subiu de 38% para 48%.

“Os números são explicados pela centralidade na mídia da guerra na Ucrânia, acompanhada do recuo da quantidade de casos e o anúncio da desativação de medidas restritivas em várias cidades”, comenta o sociólogo e cientista político Antonio Lavareda.

Apoio aos ucranianos

Ainda segundo a pesquisa, a maioria dos brasileiros acha que a Ucrânia tem mais razão no conflito com a Rússia, mas apenas 29% defende que o Brasil apoie o país no confronto que acontece no Leste Europeu.

O resultado foi comentado por Lavareda: “a solidariedade do brasileiro com a Ucrânia tem limites”.

  • 56% dos entrevistados deram razão à Ucrânia;
  • 17% disseram que nenhum dos dois países tem razão
  • 62% defendem que o Brasil fique neutro nessa disputa
  • 2% defendem um posicionamento pró-Rússia.

Postura de Bolsonaro

A postura do presidente Jair Bolsonaro no conflito é vista como “total ou parcialmente correta” por 42% dos entrevistados; outros 48% consideram a postura presidencial “total ou parcialmente errada”.

Para Lavareda, a opinião pública praticamente se divide nesse tema. Ele lembra que essa discussão não foi incorporada até o momento à pré-campanha eleitoral.

“O encontro de Bolsonaro com [presidente da Rússia, Vladmir] Putin dias antes da invasão, muito criticado, parece não ter produzido efeitos negativos nessa dimensão. Sua conduta é respaldada por um percentual muito superior ao da sua aprovação geral. Mas estamos longe de ter um quadro definitivo. Quando os efeitos da guerra se fizerem sentir com mais força será oportuno revisitar a questão.”

LEIA TAMBÉM

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRapaz é estuprado por dupla de “conhecidos” em Cáceres
Próximo artigoJovens com formação técnica têm mais chances de emprego e evolução na carreira