Bolsonaro, Merval, segurança pública e a frágil bolha jornalística

O jornalista Merval Pereira nos brindou com um ótimo exemplo disso ao afirmar que os Estados Unidos são um país, em suas palavras, violentíssimo! Violentíssimo é um superlativo simplesmente  impossível de se aplicar àquele país

(Foto: Reprodução/O Livre)

Foi aqui, no frio de Santa Catarina, estado que recentemente escolhi para viver com minha família, entre algumas dezenas de caixas e pacotes que parecem intermináveis que, no celular, malemá, consegui assistir à entrevista – interrogatório, ou sei lá o que foi aquilo – envolvendo o candidato Jair Bolsonaro (PSL) e a Globo News. O cometimento de certas perguntas e afirmações já foram muito discutidas nas redes sociais e em dezenas de artigos, textos, reportagens e, claro, em muitos memes! Exatamente como ocorreu no Roda Viva, a imprensa saiu menor, bem menor do entrevero…

Obviamente o assunto que mais prendeu minha atenção foi a questão da segurança pública, assunto que, pela primeira vez, deve integrar e pautar os debates eleitorais; assunto que ficou de lado durante décadas e que foi trazido a fórceps pelo candidato em questão; assunto que causa extremo desconforto para grande parte do velho jornalismo, desconforto este causado, ao que parece, por motivos puramente ideológicos, já que discutir com real profundidade e imparcialidade os caminhos que nos trouxeram até aqui passa, necessariamente, por um mea culpa, pela obrigatoriedade de assumir que praticamente tudo que foi defendido por esse pessoal está errado!

[featured_paragraph]Política de desencarceramento, desarmamento, pobreza e desigualdade como nascedouro do crime, entre outros pontos, mostraram-se não fazer parte da solução, mas, sim, do problema! Haja coragem para assumir isso, não é mesmo? Pior ainda seria ter que concordar com Bolsonaro. Melhor perguntar se uma cadeira vermelha lhe incomoda ou se ele se considera fascista…[/featured_paragraph]

O jornalista Merval Pereira nos brindou com um ótimo exemplo disso ao afirmar que os Estados Unidos são um país, em suas palavras, violentíssimo! Violentíssimo é um superlativo simplesmente impossível de se aplicar àquele país quando se faz qualquer análise imparcial, deixando-se de lado o antiamericanismo de botequim do Leblon e a ideologia dominante nas bolhas das redações.

Prova do que estou falando é uma recente análise publicada em junho deste ano pelo Brennan Center for Justice da New York University, mostrando que o crime nas trinta maiores cidades americanas permanece próximo do mínimo em toda a história. Tenho a convicção de que o mesmo jornalista não pensaria em classificar a Inglaterra, e mais especificamente Londres, como pacífica e segura, o que seria absolutamente falso, pois, com exceção dos homicídios, a ilha de Churchill e Thatcher possui muitas das taxas criminais maiores do que as americanas. Em março deste ano, por exemplo, Londres teve mais homicídios do que Nova Iorque!

De onde, então, um jornalista conceituado como Merval Pereira tira tais conclusões? Dele mesmo, ou melhor, deles mesmos. O jornalismo brasileiro, ou pelo menos grande parte dele, tornou-se avesso às fontes primárias e à capacidade de duvidar daquilo que é espelho; utiliza-se apenas e tão somente da própria imprensa para embasar suas próprias convicções. Um retroalimentar que destrói qualquer possibilidade de debate. Acreditam nos coleguinhas de redação do mesmo jeito que aquela sua tia no grupo de WhatsApp acredita que Bill Gates vai doar um dólar para cada vez que repassar uma determinada mensagem.

E assim seguimos colhendo mais de 60 mil homicídios por ano, separando o Brasil entre negros e brancos, pobres e ricos, gays e héteros, homens e mulheres. Com uma imprensa que cobra punição exemplar para os assassinos de uma vereadora negra, mulher e homossexual enquanto não dá a mínima para a morte de outra mulher, negra e homossexual, simplesmente por ela ser policial.

No fundo, esses tais proclamados antifascistas, como se ao menos soubessem o que é um fascista, mostram que não há qualquer respeito pelas vítimas, a não ser quando favorecem a narrativa para defender exatamente tudo aquilo que nos trouxe até aqui.

Viveram e vivem confortavelmente em uma bolha, mas, como toda bolha, a estrutura é frágil, efêmera e, normalmente, quando o tempo não se encarrega de seu fim, basta um leve toque para que tudo se esvaia. E aí, meus amigos, não adianta sair gritando fakenews ou implorar pela credibilidade perdida.

Bene Barbosa é especialista em segurança, escritor, presidente do Movimento Viva Brasil, palestrante e autor do best-seller Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento.

Redes sociais do colunista:

TwitterInstagramFacebook

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.