Boi estrangeiro: Ministério ensaia liberar importação e pecuaristas de MT se preocupam

Presidente da Acrimat cita o risco de casos de febre aftosa e sustenta: importar animais não vai baixar o preço da carne

(Foto: Sistema Famato)

A medida ainda nem foi confirmada, mas já gerou preocupação entre produtores mato-grossenses. Diante de um período de seca que já dura dois anos – e que foi ainda mais forte no ano passado – o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estaria cogitando abrir a importação de bovinos e bubalinos de países de fora do Mercosul.

O temor de entidades que representam esses produtores é não saber quais são as regras sanitárias desses países e se esses animais estão livres da febre aftosa. A última vez que Mato Grosso registrou um caso, foi há mais de 25 anos.

“Abrir para a importação nos colocaria em risco. Pode ocorrer a reinserção de doenças entre o nosso rebanho e isso é algo que nos preocupa”, diz o presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Oswaldo Pereira Ribeiro Jr.

Em julho de 2019, o Mapa estabeleceu regras para a importação de bovinos e bubalinos de países que integram o Mercosul. Elas valem tanto para animais adquiridos para abate imediato, quanto para gado de engorda.

A informação de que haverá abertura de importação para países fora do Mercosul não confirmada pelo Ministério.

O Brasil conta com um serviço de defesa sanitária certificado e auditado pela Organização Mundial da Saúde Animal, o que permite aos produtores daqui comercializar a carne com mais de 150 nações.

A importação de animais, por vezes de origem onde não se observa o mesmo critério, é algo que poderia prejudicar esse comércio, na avaliação da Acrimat.

O preço da carne vai baixar?

Para o presidente da Acrimat, nada mudaria em relação aos preços da carne bovina no mercado.

“A oferta de animais prontos pode resolver a situação de determinado frigorífico, de certa região por uma ou duas semanas”, ele pontua.

Mas Oswaldo Pereira reconhece que a falta de animal pronto para o abate é uma realidade.

“As chuvas estão voltando agora e a recuperação de pasto, só agora, está se mostrando eficiente. Isso nos dá a segurança em dizer que até março ou abril teremos animais prontos”.

Do total do rebanho mato-grossense – hoje cerca de 30,1 milhões de cabeça – 85% são criados em pasto e 15% em confinamento.

“É sempre bom lembrar que a pecuária é uma atividade de produção e de médio e longo prazo, portanto estes animais prontos hoje já estavam programados há três, quatro anos. Então, o que temos hoje é porque o pecuarista trabalhou e planejou e não por especulação”, ele concluiu.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMP investiga seis por suspeita de propina nas eleições de 2010
Próximo artigoCovid-19: Prefeitura de Cuiabá pede que moradores denunciem vizinhos