Bloqueio de caminhões no Norte de MT deve se prolongar até sexta-feira

Caminhoneiros estão parados desde sábado, devido a trabalhos de manutenção na rodovia

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) informou que o trânsito de carretas e caminhões no Norte de Mato Grosso, na BR-163, na divisa com o Pará, não deverá ser liberado nesta terça-feira (5), como era previsto. A expectativa é de que os veículos pesados, que estão carregados para o escoamento da soja, sejam liberados apenas na sexta-feira (8).

Conforme o departamento, o trecho da rodovia, que vai do município de Novo Progresso (MT) à cidade de Moraes Almeida (PA) precisou ser interditado depois que avaliações técnicas apontaram a degradação da pista, que não tem pavimentação.

Em função das fortes chuvas que caíram nos últimos dias, os veículos pesados não conseguem passar e acabam congestionando a via.

Após tomar conhecimento da situação, a direção do Dnit determinou os trabalhos emergenciais. Com isso, o departamento contou com apoio do Exército e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para interditarem certos pontos da rodovia, como nas cidades de Santa Helena e Guarantã do Norte.

Além da saída de Mato Grosso, os veículos também estão sendo retidos no Posto de Controle de Trânsito (PCtran) da Serra da Anita, próximo ao porto de Miritituba (PA).

A prestação de assistência em saúde vai continuar na região, com a disponibilização de duas ambulâncias, além de equipe médica. Refeições e água potável estão sendo disponibilizadas diariamente aos caminhoneiros que estão no local.

(Com informações da assessoria)

Leia também

Professor vive saga para proteger alunos em viagem por atoleiros na BR-163

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDenunciado por venda de drogas, casal tinha quase 100 kg de maconha em casa
Próximo artigoVirginia Mendes: “Mauro é muito mais que empresário, prefeito ou governador”