Bloco contendo aeroporto de Sinop é arrematado por R$ 40 milhões

A compra gera expectativas positivas em representantes do poder público e de entidades comerciais

Foto: Reprodução

O leilão de 12 aeroportos que foi realizado nesta sexta-feira (15) na B3, em São Paulo, resultou no arremate do bloco do Centro-Oeste por R$ 40 milhões. O Aeroporto João Baptista Figueiredo de Sinop (500 Km de Cuiabá) foi um dos leiloados.

O vencedor foi o Consórcio Aeroeste (formado pelas brasileiras Socicam e Sinart), que terá a concessão pelos próximos 30 anos. Esse é o primeiro lote das grandes privatizações que vão acontecer em todo país. Além de Sinop, os aeroportos de Cuiabá, Rondonópolis e Alta Floresta fazem parte do bloco.

O fato causou expectativas favoráveis em representantes do poder público e de entidades comerciais da “capital do Nortão”.

“Certamente depois que o aeroporto estiver funcionando totalmente teremos um grande salto na economia. Ele é a porta de entrada para investidores, é uma logística essencial para o desenvolvimento da região. Isso é um passo gigantesco para Sinop se consolidar de vez como pólo da região Norte”, ressaltou Nilson Ribeiro, membro da Associação Comercial e Empresarial de Sinop (Aces).

A expectativa acerca da privatização também é positiva por parte do poder público municipal.

“A perspectiva positiva hoje não é só de Sinop, mas de todo estado. Isso tratá investimentos, desenvolvimentos e com certeza um outro patamar para nossa cidade e até a nível estadual”, pontuou o secretário de Finanças e Orçamento, Astério Gomes.

Ainda de acordo com Astério, Sinop será a principal privilegiada, uma vez que ela está em uma região de grande escoamento de safra, fato que é muito importante para o fortalecimento comercial. Diante desse fato, especialistas de mercado apontavam que uma empresa estrangeira arrematasse o bloco do Centro-Oeste.

Atual estrutura em Sinop

O município é conhecido pelos diversos serviços e por ser um pólo regional, porém enfrenta dificuldades de logísticas. Essas dificuldades são apontadas como sendo o principal entrave de grandes investimentos na região.

“O nosso aeroporto hoje apresenta muitas precariedades. Não opera com mais voos por conta das limitações. Devido a esse fato novos investimentos ficam travados, diminuindo o fluxo e atrapalhando até a consolidação de Sinop como referência na região. Antigamente tínhamos sete voos diários, hoje temos apenas três. As companhias aéreas também caíram: eram três, agora é apenas uma”, apontou Nilson Ribeiro.

A capital do Nortão vem perdendo espaço para Sorriso (400 Km de Cuiabá). Muitas palestras e eventos de nível nacional deixam de ser realizados em Sinop pela falta de logística.

O entrave burocrático também passa pela incapacidade técnica da cidade de conseguir homologação dos equipamentos necessários que já estão disponíveis no aeroporto. Atualmente voos não são operados a noite ou em clima sem visibilidade, pois esses aparelhos não estão homologados.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS