Blairo Maggi critica “pressa” para legalizar exploração mineral terras indígenas

Ex-ministro da Agricultura afirmou que mudança cobiçada pela Câmara Federal não terá efeito sobre o mercado atual de fertilizante

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ex-ministro da Agricultura e empresário do agronegócio, Blairo Maggi, disse que a proposta em tramitação na Câmara Federal para exploração mineral em terras indígenas não terá impacto no cenário de hoje acerca da alta no preço dos fertilizantes. 

Com planejamento, algum resultado da mudança na legislação só começaria a refletir no mercado nacional daqui quatro ou cinco anos, quando a situação pode ser outra. 

“Estamos falando de uma realidade de mercado preocupante e que exige um planejamento de governo. O que eu defendo é a criação de um plano nacional emergencial para aumentar a produção dos insumos e diminuir a dependência externa”, afirmou. 

A Câmara Federal aprovou na semana passada o status de emergência na tramitação do projeto de lei que autoriza a exploração do subsolo em terras indígenas. A aprovação foi impulsionada pelo conflito da guerra entre Rússia e Ucrânia, que afeta a cotação do mercado de fertilizante. 

LEIA TAMBÉM

Maggi criticou o modo como a medida está sendo conduzida e afirmou que a mudança na legislação precisa seguir os ritos de avaliação, com o acompanhamento de audiências públicas. 

“Hoje, não temos uma legislação que seja adequada para esse fim, então, é necessário partir do princípio e respeitar os ritos de audiência pública, realização de estudos técnicos, oitiva junto às comunidades indígenas, participação de toda a sociedade civil organizada e órgãos ambientais. Qualquer coisa diferente disso é temerário”, disse. 

A dependência do agronegócio brasileiro da importação de fertilizante representou 95% de 10 milhões toneladas compradas em 2021. Maggi é um dos empresários que iniciou conversas com países exportadores para mitigar a dependência. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCenso 2022 vai coletar as coordenadas da sua casa. Entenda o motivo
Próximo artigoApós 20 anos…