Black Friday: faturamento do e-commerce deve crescer 18% e alcançar R$ 6,1 bilhões

Número de pedidos deve chegar a 8,5 milhões, 13% acima de 2020

(Foto: Freepik)

A edição 2021 da Black Friday deve gerar 8,5 milhões de pedidos no e-commerce. Uma alta de 13% na comparação com 2020, segundo estudo inédito da Neotrust — empresa especializada em soluções de tecnologia para o setor.

Na edição deste ano, o volume de compras deve propiciar um faturamento de R$ 6,1 bilhões, o que representa um crescimento de 18% em relação ao ano anterior. Os números consideram o movimento das operações na quinta e na sexta (dias 25 e 26 de novembro).

“A Black Friday de 2020 foi a maior do varejo digital brasileiro, com 4,52 milhões de consumidores ativos e um aumento de quase 900 mil consumidores em relação ao ano anterior. Pode parecer difícil superar o recorde, mas o comportamento do varejo digital nos últimos meses mostra que o consumidor definitivamente gosta de comprar online”, afirma o CEO da Neotrust, Fabrício Dantas.

Parte desse crescimento, de acordo com a análise da Neotrust, deve-se ao maior número de pedidos e consumidores, mas também de um aumento nos preços com valorização do dólar frente ao real e inflação.

59% pretendem comprar algum produto

A Neotrust fez uma pesquisa para sondar a expectativa dos consumidores. No levantamento, foram ouvidos 2.248 brasileiros de diversos perfis de consumo e diversas regiões do País.

Dos entrevistados, 59% declararam que pretendem comprar algum produto online na Black Friday 2021.

Quando questionados sobre qual será a maior motivação de compra, 59% das pessoas ouvidas disseram que gostam de aproveitar as promoções/preços, enquanto 30% manifestaram interesse em um produto específico. Do total, 12% apontaram outras razões.

Entre os que não pretendem fazer compras na edição 2021, 63% afirmaram não ver vantagens da Black Friday. Já 12% observaram que não encontram o produto que gostariam; 11% assinalaram que o frete é alto e 14% mencionaram outras razões.

Na pesquisa, os entrevistados destacaram quais são os focos de interesse nas compras.

  • 49% Eletrônicos
  • 31% Eletrodomésticos
  • 27% Moda e Acessórios
  • 25% Eletroportáteis
  • 25% Equipamentos de Informática

Também foram mencionados produtos em Telefonia (23,9%), Beleza e Perfumaria (23,5%), Utilidades Domésticas (18,5%), Alimentos e Bebidas (17,6%), Móveis (17,6%) e Esporte e Lazer (11,9%).

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça nega liberdade a acusados de matarem policial espancado
Próximo artigoExportações do agro brasileiro cresceu 10% em outubro de 2021