Black Friday: confira 12 dicas para aproveitar as promoções em segurança

Para aproveitar as ofertas, bons hábitos de pesquisa e paciência antes de fechar algum negócio são muito importantes

(Foto: reprodução)

A Black Friday 2021 promete movimentar o comércio eletrônico com descontos e promoções. Mas para aproveitar as ofertas, bons hábitos de pesquisa e paciência antes de fechar algum negócio são muito importantes.

De acordo com o professor do curso de CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Universidade de Cuiabá (Unic), Carlos Eduardo Juliani, o usuário tem sempre que checar alguns detalhes antes de compartilhar seus dados e, principalmente, de realizar o pagamento.

Segundo um estudo feito pela Kaspersky, empresa de segurança da informação, em 2020, o Brasil foi o país mais atingido por tentativas de roubo de dados pessoais ou financeiros de pessoas na internet.

“Outro dado relevante dessa pesquisa é que o percentual de usuários brasileiros que tentaram abrir pelo menos uma vez links maliciosos chega a 19,9% dos internautas do país. O número demonstra que muitas pessoas clicam em links mesmo desconhecendo a empresa anunciante”, explica o professor.

A primeira dica do especialista para não cair em golpes é não comprar em lojas de nomes desconhecidos e sempre verificar se o símbolo do cadeado aparece antes da URL na barra do navegador, indicando que o ambiente oferece privacidade.

Também é importante não clicar em links de mensagens de e-mail, SMS ou redes sociais de pessoas ou organizações desconhecidas. Em caso de cliques equivocados, verifique para onde está o direcionamento. Se não houver a certeza de que o site é seguro, o aconselhável é não inserir informações pessoais, especialmente financeiras – número de cartão de crédito, por exemplo.

Para que você possa aproveitar as promoções em segurança, o especialista separou 12 dicas:

• Verifique a veracidade do site: muito parecidas, páginas falsas usam até o endereço semelhante. Veja se não há letras faltando ou fora do lugar na URL;

• Dê preferência ao cartão de crédito no pagamento, pois ele permite estornos caso você não receba o produto correto. Suspeite se o único pagamento disponível for por meio de PIX;

• Verifique a reputação da loja e antes de fechar o negócio confira a opinião de outros consumidores em rankings de reputação;

• Redes sem fio gratuitas, comuns em espaços públicos, são boas para pesquisas, mas perigosas para transferências ou pagamentos, pois seus dados podem ser roubados;

• Desconfie de promoções com preços muito baixos;

• Desconfie de sites com design muito simples, antiquado e difícil de navegar. Veja se há CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa jurídica) na página e consulte o número no site da Receita Federal para saber se o registro é igual ao da loja;

• Acesse os sites em modo anônimo, para que o navegador não registre localmente os dados referente às atividades realizadas no seu computador ou celular. Isso significa que não ficarão registradas as informações sobre downloads, cookies, login e senha, além de dados preenchidos em formulários;

• Não salve os dados do seu cartão de crédito para compras futuras;

• Documente todo o processo de compra fazendo capturas de tela. Assim, você pode documentar a página do produto – mostrando as informações que foram apresentadas a você;

• Preste bastante atenção ao valor do frete, para ver se vale a pena seguir com a compra;

• Faça cadastro antecipado nos sites das lojas que você deseja realizar compras, e que vão participar da Black Friday, assim você pode analisar se o produto está realmente com preço menor;

• Atualize o antivírus e verifique se não há arquivos desconhecidos na sua máquina ou celular. No caso dos smartphones, prefira os aplicativos de lojas.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTurista na cidade de nascença
Próximo artigoJustiça retira qualificadora em homicídio de engenheiro assassinado após cobrar dívida