Big Data, Capitalismo de vigilância e privacidade

Saiba porque precisa se importar com os dados que produz

A grande área da tecnologia responsável por tratar, analisar e obter informações a partir do conjunto de dados que produzimos ao navegar em ambiente digital esta tomando novos rumos e eles não são bons.

Isso porque o que deveria propor produtos melhores, serviços mais adequados e estimular nossa consciência digital esta apenas produzindo insights para vender mais.

Assim somos tomados por anúncios repetitivos de marketing, forçados a aceitar termos e condições que mudam de acordo com o humor de seus CEOs e nossos dados são comercializados sem qualquer ética.

Ninguém esta sendo forcado a utilizar uma tela na mão certo? O que esta pegando e que a cada passada de dedo pela tela a famosa coleta sub-reptícia acontece sem que estejamos cientes.

Privacidade? Acredita que em algum momento dos dias modernos temos nossa privacidade de dados tratada como deveria?

Segundo Nick Couldry e Ulisses Mejias o custo da conexão com a internet é que ao dar nossas informações voluntariamente a grandes corporações estamos sendo colonizados pelos dados e não mais por nossas vontades.

Tecnologia deveria ser muito mais sobre facilitar processos, encurtar distancias e melhorar a vida das pessoas do que de fato sobe consumo.

Hoje estamos sendo transformados em consumistas digitais e tudo bem se você é um adulto que deseja viver assim, mas quando falamos de crianças que estão sendo transformadas em consumistas mirins o conceito se transforma.

Uma criança que é estimulada ao consumo e não tem seus dados protegidos vai determinar os rumos de nossas democracias amanha, podemos estar produzindo novos ditadores. Já parou para pensar como isso é forte?

O luxo das gerações consumistas de hoje, será a necessidade das próximas amanha e isso vende. Então aquele capitalismo de vigilância tão falado por Shosana Zuboff não é mais coisa de ficção cientifica é realidade.

Parece meio subversivo porque a netnografia trabalha justamente com o estudar o comportamento do consumidor e gerar insights através dos dados. 

Porem as pessoas aprendem que essa técnica de mercado precisa ser analisada por pessoas, respeitando a ética e com permissão de quem esta sendo analisado, para aí criar oportunidade de negócios.

O que o capitalismo de vigilância esta fazendo conosco é ditar nossas vontades, hábitos, projetos, gostos e ainda dizer o que teremos vontade de consumir. 

Particularmente me assusta o termo “preditivo” quando falamos de dados, porque isso normalmente esta atrelado a praticas ocultas de extração dos nossos dados e isso meio que cria uma experiência onde nosso comportamento é modulado apenas para consumir e não criar uma sociedade melhor.

Aquele direito de autonomia da liberdade não existe mais. A nova arquitetura global de modificacao de comportamento, onde a dopamina vai as compras e não mais o senso critico é o que interessa.

A tecnologia precisa ser encarada como ferramenta e não mais como brinquedo nas mãos das Big Techs e o usuário passar a exercer seu direito e exigir delas privacidade dos dados.

Se a humanidade tem solução? Se as próximas gerações serão mais perspicazes? Se teremos lideres capazes de melhorar o mundo? Isso é uma pergunta de trilhões de bitcoins e muito reflexiva.

Precisamos é começar a olhar nossos hábitos digitais, verificar para que precisamos de tanta tecnologia? E fazermos a famosa pergunta: Para que precisamos de uma tela o tempo todo?

Dizem que somos cidadãos mais conscientes quando temos mais perguntas do que respostas e esta é a grande chave para se entender mais o universo digital, ter senso critico já é um começo para se mudar as coisas.

Por: Maria Augusta Ribeiro. Especialista em Netnografia e Comportamento Digital Belicosa.com.br

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO impacto das ações do Sesc na vida dos mato-grossenses
Próximo artigoFim do casamento? Bolsonaro afirma que sofre pressões para demitir Paulo Guedes