Bebê levada a hospital com traumatismo morre e tios vão responder por homicídio

Laudo médico apontou que a criança tinha fraturas cranianas, lesões por maus-tratos, abuso sexual, traumatismo craniano grave e suspeita de morte encefálica

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A bebê de dois anos e sete meses, que havia sido levada pela tia a uma Unidade de Pronto-Atendimento de Poconé na última quinta-feira (4) com sinais de maus-tratos e estupro, e com traumatismo craniano e suspeita de morte encefálica, morreu nessa segunda-feira (8).

Com a morte, os tios da menina, que estavam com a guarda provisória dela, passam a responder pelo crime de homicídio qualificado, além de outros três crimes.

O crime ocorreu na última quinta-feira (4). A tia da menina a levou à UPA de Poconé por volta das 6h30 com várias lesões dizendo que a havia encontrado desacordada ao lado da cama, dado banho nela e a levado para o hospital.

Na unidade, a menina foi entubada e, devido à gravidade dos ferimentos, foi transferida para o Pronto-Socorro de Várzea Grande, onde confirmada a morte dela nessa segunda-feira (8).

Investigações

Segundo a Polícia Civil, um laudo médico apontou que a bebê tinha fraturas cranianas, estado não compatível com a situação descrita pela tia. Além disso, ela apresentava lesões por maus-tratos, abuso sexual, traumatismo craniano grave e suspeita de morte encefálica.

Conforme a investigação conduzida pelo delegado Maurício Maciel Pereira, há cerca de cinco meses, a guarda provisória dela estava com o tio paterno e a esposa dele. O casal estava morando em um sítio com a criança, na região rural de Poconé.

A equipe do Conselho Tutelar do município, que estava acompanhando a situação, procurou a delegacia após receber o laudo médico. Os tios, responsáveis legais pela bebê, foram até a unidade policial para serem ouvidos e receberam voz de prisão pelos crimes de lesão corporal grave, maus tratos e ameaça.

O delegado afirma que as diligências estão em andamento para verificar todas as circunstâncias envolvendo as agressões praticadas contra a bebê e foi requisitada perícia no local dos fatos. O pai biológico da bebê foi ouvido nessa segunda-feira na delegacia.

Com base nas informações coletadas, o delegado representou pela conversão do flagrante do casal em prisão preventiva, que foi deferida pelo Poder Judiciário durante audiência de custódia realizada no último sábado (6).

O casal responderá pelos crimes de homicídio qualificado, maus tratos, estupro de vulnerável e tortura.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior42% dos restaurantes que atuam só com delivery aumentaram preços
Próximo artigoAs voltas na política