Bebê indígena enterrada viva pode ter alta da UTI nesta segunda

    Ela continuará internada, mas com a melhora no quadro clínico poderá sair da UTI

    Foto: Divulgação/MPE

    A bebê indígena enterrada viva por familiares no dia 05 de junho pode finalmente deixar a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nesta segunda-feira (09). Com a melhora em seu quadro clínico, a menina, que está internada na Santa Casa de Misericórdia, pode ir para um quarto.

    A bebê passou por vários procedimentos cirúrgicos e já respira sem aparelhos.

    O caso aconteceu em Canarana (837 km de Cuiabá). A recém-nascida ficou enterrada por mais de quatro horas. O resgate causou muita emoção nos policiais, que filmaram a ação. A comoção tomou conta de todos que acompanham o caso e torcem pela bebê.

    Com a repercussão do caso, a polícia passou a investigar o ocorrido e uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), denominada “Maus Tratos” foi aberta no Senado Federal e o Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu denúncia contra os familiares da adolescente.

    Atualmente, a avó da jovem, acusada de ter praticado o crime, encontra-se detida em uma sala da Fundação Nacional do Índio (Funai) por determinação judicial.

    Leia mais:

    Policiais salvam bebê enterrada viva por avó indígena
    Bebê indígena continua em estado grave, mas quadro é estável
    MPE denuncia bisavó de bebê indígena por tentativa de homicídio duplamente qualificado
    CPI dos Maus-Tratos vai investigar caso de bebê indígena enterrada viva
    Bebê indígena continua em estado grave, mas reage bem a tratamento
    Bebê indígena passa por cirurgia; médicos falam em “melhora significativa”

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorPesquisa medirá satisfação do cidadão sobre serviços públicos em Cuiabá
    Próximo artigoMarido com faca na mão agride esposa com beliscões e ameaça “fazer picadinho” dos filhos