Barragem em Mato Grosso está na mira do Ministério Público

Localizada em Nova Lacerda, a B5 foi vistoriada pela última vez em 2018

O Ministério Público do Trabalho (MPT) emitiu uma série de recomendações a empresas responsáveis por 43 barragens que oferecem alto risco em caso de rompimento. Uma delas, está localizada no município de Nova Lacerda (540 km de Cuiabá), onde é feita a extração de minério de ouro primário.

De acordo com Agência Nacional de Mineração (ANM), a “B5” possui categoria de risco médio e alto dano potencial associado. O que significa dizer que, em caso de rompimento, haverá grande impacto ambiental e econômico, mas principalmente grande número de vítimas.

Com o alto risco, a barragem localizada em Nova Lacerda deve apresentar dois tipos de planos: o Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração e o Plano de Segurança de Barragem. No entanto, a ANM não informou se a empresa responsável pelo local disponibilizou os dois documentos.

Chefe do Serviço de Segurança de Barragens de Mineração da ANM/MT, Marcio Amorim garantiu que a empresa realizou recentemente um simulado de rompimento, que reproduz com todos os entes envolvidos como seria a atuação de cada um caso a barragem fosse rompida.

“Essa iniciativa simula, o mais próximo possível da realidade, o que aconteceria com todas as pessoas e estruturas eventualmente atingidas no caso de falha que culminasse com o rompimento. Assim, toda a comunidade, colaboradores da empresa, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, ANM e demais órgãos envolvidos, testam o aparato e os procedimentos que deveriam ser executados para verificar se a capacitação das pessoas é suficiente e se tudo que foi previsto atende e funciona de forma satisfatória em uma situação de emergência”, explicou Amorim.

A B5 figura na 35ª posição da lista do MPT – Imagem: MPT

Apesar de constar na lista como uma barragem pertencente ao grupo Mineração Apoena S.A., a ANM informou ao LIVRE que, em outubro do ano passado, a B5 passou a ser de propriedade da empresa Euromaquinas Mineração Ltda.

A última fiscalização na barragem mato-grossense foi realizada em 2018 e ainda de acordo com a ANM, uma nova fiscalização deve ocorrer ainda este ano. Durante as vistorias, fiscais monitoram as condições da barragem, além de cobrar a elaboração dos planos de emergência, projetos e vistoriam se a barragem está dentro da legislação em vigor.

No entanto, o MPT cobra da empresa responsável a imediata confecção e apresentação dos planos de segurança, além do cumprimento das normas de saúde e segurança, o monitoramento das condições operacionais que possam afetar a estabilidade das estruturas e que as mineradoras informem o número de trabalhadores próprios e terceirizados.

Outro lado

A reportagem do LIVRE entrou em contato com a empresa Euromaquinas, mas não teve êxito. No entanto, deixa o espaço em aberto caso a empresa queira se pronunciar.

LEIA TAMBÉM:

Quase metade das barragens de MT estão irregulares; 18 representam alto risco

Ministro de Minas e Energia diz que não há barragem segura no Brasil

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCCJ vota na quarta parecer sobre projetos que sustam decreto de armas
Próximo artigoFuncionários de Arcanjo têm receio pelo histórico de violência, diz delegado

O LIVRE ADS